seguranca no local de trabalho
Centros de coworking souberam, de uma maneira geral, adaptar-se à nova realidade e acolher as pessoas em segurança no local partilhado de trabalho

Apesar da onda de choque inicial nos espaços de trabalho partilhado e/ou colaborativo, o contexto de pandemia (iminente ou efetiva) – que obrigou a renovadas medidas de higiene e segurança no local de trabalho anti-Covid 19 – está a trazer novas oportunidades e, em muitos casos, mais clientes aos espaços de coworking, um pouco por todo o mundo. E em Moçambique também.

Quem o assevera é Pedro Ferreira, Director Geral da CoWork Lab, empresa que detém sete business centers em Maputo (Moçambique) equipados com várias valências funcionais, à altura das exigências mais atuais dos profissionais que procuram escritórios equipados para desenvolver as respetivas atividades.

“A crise mundial de saúde pública provocada pela disseminação do COVID-19 obrigou igualmente Moçambique a tomar medidas (para minimizar e conter a propagação do vírus), que tiveram um profundo impacto no tecido empresarial e, de uma forma geral, na sociedade. Os espaços de coworking também sofreram na pele, mas, depois de um período de adaptação, que nos obrigou a colocar em marcha um plano de contingência, um conjunto de boas práticas e algumas regras específicas, no âmbito da proteção das pessoas em espaços de trabalho, o panorama estabilizou e estamos a sentir que a ameaça trouxe renovadas oportunidades para o nosso setor”, explica o empresário.

Em que medida?

“Os modelos híbridos de trabalho e o próprio teletrabalho, 100% remoto, vieram não só para ficar, como – sentimos – se encontram robustecidos. São cada vez mais os profissionais que não querem/conseguem transformar as respetivas casas para os requisitos do teletrabalho. E cresce o número de empresas que prefere direcionar antigos ou novos postos de trabalho para espaços exteriores às suas instalações. A própria experiência forçada de muitos, colocados em trabalho remoto, permitiu balanços positivos, daí sentirmos e perspetivarmos um crescimento de atividade dos centros de coworking – que souberam adaptar-se à nova realidade, acolher as pessoas em segurança no local de trabalho, continuando a promover o networking e a potenciar talento”, fundamenta o responsável da CoWork Lab.

ABC de boas práticas de segurança no local de trabalho em tempo pandemia

Mas, doravante, cada vez mais fundamental para tal consolidação dos espaços de coworking vão ser a preocupação e a preparação das correspondentes instalações no âmbito da proteção das pessoas (profissionais e visitantes) em contexto de trabalho.

E é por isso que, não só baseados no guia criado pela OMS – Organização Mundial de Saúde, mas noutros conjuntos de boas práticas, e levando em consideração especificidades comumente sentidas, vários centros de trabalho partilhado e/ou colaborativo adotaram um conjunto de medidas muito práticas.

A primeira aponta logo para o cartão de visita de qualquer empresa, ou seja, o check-in (balcão de atendimento). Começa a ser vulgar que, à chegada, além da desinfeção das mãos no dispensador de álcool-gel, a previsão de entrada nas instalações seja sequenciada com um teste de temperatura.

LEIA TAMBÉM: ‘Marques Soares’ inaugura espaço de coworking no Porto

Vários negócios facultam mesmo máscaras de proteção e, inclusive, um individual em papel reciclado (e para descartar posteriormente a ser usado) – por forma a evitar que mãos e braços toquem em mesas de reuniões e/ou trabalho.

Cumprir a nova etiqueta e os limites de ocupação

A juntar aos avisos sobre a desejável etiqueta de higiene, distribuídos por corredores, áreas de reunião e afins, o novo “normal” – aquele que coloca em primeiro lugar a higiene e segurança no local de trabalho – ditou rotinas apertadas de higienização de superfícies (mesas, paredes, puxadores, equipamentos de uso comum, etc.), e, também um maior distanciamento entre secretárias e divisórias em acrílico, normalmente.

Hoje em dia, é visto com normalidade a indicação de capacidade e limite máximos dos espaços, e isso é igualmente verdade para as salas de reunião nos centros de coworking, as quais devem ser limpas assim que acabam de ser utilizadas.

LEIA TAMBÉM: Cowork Lab marca presença nos Global Startup Awards Grand Finale

A renovação de ar é outra das preocupações a ter em conta. O que implica uma cadência mais apertada na manutenção e limpeza dos equipamentos de climatização, e, também, abertura regular de janelas, com o intuito de promover o arejamento. E não só das zonas comuns.

Partilhar e circular sempre sem descurar a segurança no local de trabalho

Por falar em zonas comuns… Para garantir o distanciamento, as boas práticas aconselham ainda a colocação no chão de indicações sobre os sentidos de circulação das pessoas.

A esta dimensão acresce, adicionalmente, e para não se facilitar com segurança no local de trabalho em tempo de Covid-19, redobrados cuidados na utilização das valências (copas, cantinas/refeitórios, lounge…) e equipamentos utilizados de forma partilhada pelos coworkers: talheres (higienizados e/ou envoltos em película de proteção descartável), tabuleiros, micro-ondas, máquinas de café, refrigeradores, vending e muitos outros.

Daí que muitos espaços de coworking estejam a estabelecer horários rotativos para o consumo de alimentos e, nalguns casos, de alguns equipamentos.

LEIA TAMBÉM: Quartos para teletrabalho: InterContinental Lisbon disponibiliza novas soluções

É que, convém não esquecer, o novo coronavírus pode sobreviver até 72 horas em superfícies de plástico e aço inoxidável, cerca de 24 horas em papel(ão) e aproximadamente quatro horas em cobre…

Um por todos e todos por um…

Seja como for, às vezes a utilização de algum senso comum também ajuda. E cabe a cada um de nós uma quota-parte de responsabilidade. É, no fundo, uma questão de atitude, que começa em vermos se temos tudo o que necessitamos no nosso espaço de trabalho, por forma a otimizá-lo e mantê-lo em segurança.

Há, inclusive, vários exemplos de espaços de coworking que passaram as ações de formação que disponibilizam para “live trainning” e, outros, menos, com ações de responsabilidade social em marcha, com a criação de fundos comunitários para atender a necessidades momentâneas de coworkers.

A propagação do novo coronavírus obrigou a mudanças drásticas nas rotinas pessoais e profissionais de todos nós e, mais do que nunca, a segurança no local de trabalho em tempo de Covid-19 é fundamental.

E é por isso que deixamos de ver jornais, revistas, brochuras e demais artigos de leitura em diversos espaços comuns.

LEIA TAMBÉM: Coworking em Portugal: Regus aposta no “franchising”

A renovação dos espaços de coworking a que a pandemia obrigou está, na atualidade, a incorporar novas ideias e, inclusivamente, a afetar o design das futuras áreas de trabalho. Ao ponto de alguns arquitetos terem começado a desenhar edifícios de raiz com as novas preocupações e lições em mente. Mas essa revolução ainda agora começou…

Informações adicionais:

Pedro Ferreira

CoWork Lab

[email protected]

FONTECoWork Lab
Artigo anteriorDECFIRE: estudo avalia o impacto do combate a incêndios na saúde mental dos bombeiros
Próximo artigoResidência universitária no Porto: LIV Student em fase de finalização
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".