decfire
DECFIRE explora os processos cerebrais envolvidos na tomada de decisão crítica em condições extremas de combate a incêndios e a forma de melhorar a tomada de decisão nessas situações

Visando prevenir a repercussão na saúde mental da contínua exposição à adversidade dos bombeiros na sua atividade e melhorar a tomada de decisão, na próxima segunda-feira, dia 31 de maio, vai ser apresentado um projeto de investigação (designado de DECFIRE) que estuda estes aspetos críticos do combate a incêndios no contexto das ciências da saúde, liderado pelo neurocientista da Universidade de Coimbra (UC), Miguel Castelo-Branco, e envolvendo uma equipa interdisciplinar de médicos, psicólogos e engenheiros.

Iniciado em janeiro de 2020, seguindo trabalho prévio da equipa clínica, o estudo “DECFIRE – Treino da tomada de decisão crítica e gestão do stress pós-traumático nos técnicos de combate a incêndios”, envolve a participação de mais de 200 bombeiros do distrito de Coimbra e tem como parceiros o Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicológico, CRI de Psiquiatria – Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC, IP) e a Federação dos Bombeiros do Distrito de Coimbra.

Os dados prévios já obtidos pelo grupo de trabalho clínico especializado na área do trauma confirmam a «exposição frequente a vivências potencialmente traumáticas. 82% dos participantes no estudo já estiveram expostos a mais de 20 situações potencialmente traumáticas. A exposição continuada a este tipo de situações poderá vir a colocar em causa os seus mecanismos de funcionamento normais e condicionar a emergência de problemas ao nível da saúde mental», afirma Miguel Castelo-Branco.  

DECFIRE avaliou a perceção de risco e o controlo emocional em situações extremas

O docente da Faculdade de Medicina da UC e investigador do Coimbra Institute for Biomedical Imaging and Translational Research (CIBIT/ICNAS) explica que o projeto DECFIRE, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), explora os «processos cerebrais envolvidos na tomada de decisão crítica em condições extremas de combate a incêndios e a forma de melhorar a tomada de decisão nessas situações».

Estes processos, clarifica, «são estudados através de eletroencefalograma e imagem por ressonância magnética funcional, mas também com recurso a ambientes de realidade virtual. Foram desenvolvidos simuladores específicos para o projeto, capazes de simular de forma realista situações de combate a incêndios. Deste modo, os participantes no estudo são expostos a cenários de situações de tomada de decisão desafiadoras, mas realistas, o que nos permite estudar a perceção de risco e o controlo emocional em situações extremas».  

«O domínio do fogo florestal é bastante diferente de outros cenários de emergência em termos de cenários operacionais e fontes de incerteza. Os bombeiros precisam da capacidade de treinar situações e cenários inerentemente inseguros e difíceis de reproduzir, ou impossíveis devido a restrições ambientais, comunitárias e regulatórias», justifica.

Projeto inclui treino e plano de prevenção

Os resultados obtidos até agora no âmbito do DECFIRE vão ser apresentados na próxima segunda-feira, dia 31 de maio, pelas 21h30m, durante um webinar sobre “A atividade de Bombeiro(a): Impactos do Stress na Saúde e Qualidade de Vida”, que, de acordo com a organização, pretende «discutir o impacto do stress resultante do combate a incêndios na saúde e na qualidade de vida dos bombeiros e das suas famílias». O evento reúne bombeiros e suas famílias, profissionais de saúde e cientistas.

Miguel Castelo-Branco salienta ainda que o projeto inclui um plano de «disseminação com demonstrações práticas para bombeiros, fornecendo oportunidades privilegiadas de treino em situações e cenários específicos de combate e domínio do fogo, inerentemente inseguros e de reprodução difícil fora do contexto de treino».

Passará também, conclui, por «sensibilizar os bombeiros e famílias, profissionais de saúde, associações corporativas e comunidade em geral para o impacto na saúde decorrente da exposição continuada à adversidade e para a importância na prevenção e ajuda precoce».

O webinar, que contará ainda com as intervenções de Carlos Santos (Diretor dos CHUC), Rosa Reis Marques (Presidente da ARSC), João Rodrigues (Vice-Presidente da ARSC), Fernando Carvalho (Federação de Bombeiros do Distrito de Coimbra), João Redondo (Médico Psiquiatra) e Vítor Rodrigues (FMUC), pode ser seguido através deste link e da presença do projeto DECFIRE no Facebook.

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Cristina Pinto

Assessoria de Imprensa – Universidade de Coimbra • Reitoria

Comunicação de Ciência

[email protected]

FONTEUniversidade de Coimbra • Reitoria
Artigo anteriorAmenities para hotéis com nova loja “online”
Próximo artigoSegurança no local de trabalho: contexto pandémico traz maré de dividendos ao “coworking”
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".