salazarismo monumentos
"Monumentos do Salazarismo: Curta-metragem retrospetiva” será apresentada na capela do Departamento de Arquitetura (DARQ) da FCTUC (foto de José Maçãs de Carvalho)

Na próxima terça-feira, dia 29 de outubro, pelas 18 horas, na capela do Departamento de Arquitetura (DARQ) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), vai ser lançado o Caderno 26 do CEIS20, dedicado ao tema “Monumentos do Salazarismo: Curta-metragem retrospetiva”.

O Caderno (livro) 26 do CEIS20, da autoria de Luís Miguel Correia, docente do DARQ, será apresentado por Rita Marnoto.

Os Cadernos do CEIS20 são publicados pelo Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra – CEIS20. Estas publicações visam dar a conhecer resultados parciais ou finais de pesquisas realizadas no âmbito deste centro e refletem, assim, a atividade de investigação efetuada.

Os trabalhos publicados têm de ser inéditos e devem promover o debate de temas e de problemas do século XX.

De acordo com o CEIS20, o autor de “Monumentos do Salazarismo: Curta-metragem retrospetiva” «propõe uma viagem retrospetiva que nos faz recuar ao período histórico compreendido entre as décadas 30 e 70 do século passado: o Salazarismo».

“Monumentos do Salazarismo: Curta-metragem retrospetiva” – resumo

“Na recente investigação cumprida em Monumentos, Território e Identidade no Estado Novo concluímos, em definitivo, que da definição de um projeto à memorização de um legado se consagrou na organização do espaço português certa ideologia política, incontestada estratégia, com certeza concertada nos princípios de uma reavida Portugalidade defendida pelo regime chefiado por António de Oliveira Salazar.

O Estadonovismo seria, assim, presumivelmente presenciado como um programa pessoal sobremaneira comprometido com convicções nacionalistas e antidemocráticas, projetadas e sancionadas numa nova Constituição responsável pela imposição de um poder tendencialmente totalitário.

Porém, conjuntamente em razão de diferentes episódios e factos sobrevindos à época da Ditadura, compreender-se-ia que dito plano para Portugal se impôs no lugar da terra mediante numerosas e multifacetadas obras e transformações, que decerto conformaram inconfundíveis imagens da Nação Salazarista. Apelidar-se–iam retratos do portuguesismo, porém, segundo se apurou, não apenas evidenciariam aquelas feições nacionalista e regionalista tão apetecidas, como, a par, expunham uma feição internacional, moderna, alegadamente ilegítima e proibida.

As campanhas de reintegração dos monumentos nacionais tecidas à luz de uma orientação técnica, oficial, que expressamente ditava que todas estas antigas e históricas estruturas regressassem à sua originalidade deveras consubstanciaram de Norte a Sul do território tais fácies e desígnios fascizantes então exigidos.

Por meio da enérgica ação da propaganda dirigida nas primeiras duas décadas pelo outrora enviado especial do Diário de Notícias, António Ferro, os portugueses e, desejadamente, o Mundo conheceriam, de forma idílica, aquela Pátria de conto de fadas que se acreditava estar a (re)construir. A todos se ambicionava domesticar a perspetiva tida sobre Portugal.

Para o efeito, organizaram-se comemorações, exposições, publicações, prémios e muitos outros acontecimentos que tivessem a capacidade de a divulgar e popularizar. Ainda que não constituísse um desses instrumentos privilegiados de inculcação, também o cinema, à sua restrita escala, reproduziria determinados fotogramas bem representativos e animados da vida nacional, especialmente através de diversos documentários alusivos ao quotidiano experimentado no campo ou à inigualável História admirada nos monumentos. É, neste sentido, nosso propósito desvendar como esta indústria foi apropriada em favor dos incensuráveis mitos ideológicos arregimentados pelo Estado Novo e como os monumentos nacionais nas telas materializaram certa ideia de Ser Português. Uma curta-metragem retrospetiva sobre os Monumentos do Salazarismo que se perfará considerando catorze documentários visualizados na Cinemateca Portuguesa”.
(in MONUMENTOS DO SALAZARISMO – CURTA-METRAGEM RETROSPETIVA, de Luís Miguel Correia, Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20), Departamento de Arquitetura Universidade de Coimbra, P-3004 516 Coimbra, Portugal, https://orcid.org/0000-0002-3690-930X)




Informações adicionais para órgãos de comunicação social:
Cristina Pinto
Assessora de Imprensa
Universidade de Coimbra • Faculdade de Ciências e Tecnologia
Telefone: 239 452636 | Telemóvel: 91 7575022| 96 9728546

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome