joao farinha
João Farinha, "importante representante do fado de Coimbra, dá o próximo passo no seu desenvolvimento e é também inspirado na pop e no jazz"

Lançado no final de 2020, o novo álbum de João Farinha “SOLTO” foi recentemente elogiado pelo musicólogo e crítico musical holandês especializado em World Music, Rik van Boeckel. 

Segundo Ric van Boeckel, João Farinha “importante representante do fado de Coimbra dá o próximo passo no seu desenvolvimento e é também inspirado na pop e no jazz”. Afirma ainda que “SOLTO” se trata de “uma bela sequela da estreia de Farinha. A saudade pode ser leve em tom – não falha em nada“.

O especialista recorda ainda a atuação de João Farinha com o Fado Ao Centro no início de Março de 2020, em Schipluiden, esperando voltar a assistir a concertos do músico e do seu grupo nos Países Baixos, assim que a crise da Covid-19 passar.

João Farinha, segundo Rik van Boeckel…

Eis a tradução da recensão do especialista dos Países Baixos…

Solto é o segundo álbum de estúdio do fadista João Farinha. Depois do belo primeiro SIM (2018) e de um contributo para o álbum ao vivo Fado Ao Centro (2020), este importante representante do fado de Coimbra dá o próximo passo no seu desenvolvimento e é também inspirado na pop e no jazz.

No entanto, o fado de Coimbra continua a ser a base para Farinha, cuja voz barítona profunda soa tão bem como em Sim. Além da guitarra portuguesa, ouvimos o ukulele tocado pelo guitarrista Diogo Passos. Em Vira dos Desamores, Farinha faz uma viagem ao Brasil colaborando com Beto do Bandolim.

Muito bonitas são as faixas de abertura Mundança e Entre o Sono e Sonho, na qual a voz da cantora Viviane pode ser ouvida a partir da primeira nota. Em Pepa, Farinha é vocalmente assistido por Tiago Nogueira com uma parte vocal aguda que leva esta canção a um patamar mais elevado. Passos de Vento abre com o som do vento. Seguramente poder-se-ia intitular fadopop o tema que dá nome ao disco.

Hugo Gamboias proporciona um prazer extra na audição da sua guitarra portuguesa. Em algumas ocasiões, ele também pega na guitarra elétrica. Lindo é também a adição de um coro infantil em Embalando o Menino.

LEIA TAMBÉM: Fred Martins lança “Ultramarino”

Farinha escreveu ele próprio muitas das letras, mas contou igualmente com José Rebola que assinou a letra da faixa título e letras populares para Vira dos Desamores e Fado Estudantina. Este último refere-se ao facto de Coimbra ser uma cidade estudantil onde os estudantes escrevem fados para impressionar as suas amadas.

Em suma, uma bela sequela da estreia de Farinha. A saudade pode ser leve em tom – não falha em nada. Recordando a sua atuação no início de março de 2020, em Schipluiden, espero vê-lo a ele e ao seu grupo de volta ao nosso país depois da crise corona ou então em Coimbra, uma das minhas cidades portuguesas favoritas”. (Rik van Boeckel)

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

[email protected]

https://joao-farinha.com

FONTEJoão Farinha
Artigo anteriorFrancesinha à Vila Real: o segredo familiar do Cotorinho…
Próximo artigoTrabalho depois dos 50 anos: 8 dicas para fazer da experiência um ativo valioso
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".