trabalho depois dos 50 anos
Defenda as suas redes sociais (ou a sua falta), na procura de trabalho depois dos 50 anos

Prevendo este muito provável cenário, e a pensar na dificuldade de muitos em conseguir trabalho depois dos 50 anos, a Adecco Portugal, especialista em Recursos Humanos, reuniu oito orientações para que um candidato a uma entrevista de emprego acima desta faixa etária seja bem-sucedido e faça pesar na hora a virtude da sua experiência e alivie o que potencialmente pode ser encarado de forma menos positiva pelas entidades empregadoras: menor capacidade de adaptação, resistência à mudança, e desadequação das qualificações face às novas exigências do mercado.  

No dia 10 de março foi publicada em Diário da República a Portaria n.º 53/2021, que atualiza para 66 anos e 7 meses a idade normal de acesso à pensão de velhice do regime geral da Segurança Social em 2022. Em Portugal, a população entre os 50 e os 69 anos é superior a 2.700 milhões de pessoas, de acordo com dados de 2019 do INE/Pordata. Resumindo, pessoas que hoje estão com 50 anos podem perspetivar uma carreira de quase duas décadas ou mais, se não quiserem reformar-se com a idade legal para o efeito.

Os dados não mentem e é mais do que sabido que, numa altura em que a pirâmide etária está invertida, em que a população mundial está cada vez mais envelhecida, e Portugal não é exceção, a sociedade tem que lidar com o facto de ter que encaixar no mercado laboral profissionais com idade superior a 50 anos. É também uma aprendizagem mais intensa deste período pandémico que as necessidades de reskilling e upskilling são transversais a todas as gerações em idade ativa, pelo que o candidato que perspetiva conseguir trabalho depois dos 50 anos e continuar a lutar por novos objetivos de carreira tem um belíssimo potencial para oferecer ao mercado laboral.

Mas se estes profissionais trazem na bagagem uma experiência incrível como vantagem, também têm à sua frente enormes desafios, em particular se não são candidatos para um novo emprego há muito tempo. Em 10 anos, o cenário alterou-se significativamente, e a um ritmo ainda mais acelerado neste último ano e meio. Mas os desafios representam oportunidades. A chave é certificar-se de que se está a apresentar para o mercado de hoje, que não é igual ao de 2019 e muito menos ao de 2000 ou da década de 90 do século passado.

Mesmo que a opção para mudar de trabalho e empresa passe pelo networking, há questões que o candidato deve observar.

Dicas para passar na entrevista de trabalho depois dos 50 anos

#1 SER CONCISO E EFICAZ

Num formato de entrevista comportamental, é provável que os trabalhadores mais velhos tenham muitas experiências a discutir. As perguntas costumam avaliar o comportamento do candidato no passado e o que fizeram para lidar com certas situações. Servem para comprovar competência, como solução de problemas, análise, criatividade, resiliência, escrita, falar em público, trabalho em equipa, persuasão, metas quantitativas, pensamento crítico e até empatia.

LEIA TAMBÉM: Futuro do trabalho: híbrido, mais tecnológico, responsável e a reter talento

Para ter mais sucesso em conseguir trabalho depois dos 50 anos, a chave é responder a estas questões comportamentais com a técnica STAR (Situação, Tarefa, Ação, Resultado), de forma ajustada e clara. O que não quer fazer é aborrecer o seu entrevistador. É preciso lembrar que o tempo de atenção humana é muito mais curto nos dias de hoje.

#2 SER CONFIANTE E HUMILDE, PARA CONSEGUIR TRABALHO DEPOIS DOS 50 ANOS

A idade e a experiência dos trabalhadores mais velhos trazem conhecimentos e uma nova perspetiva, e é preciso tirar daí a confiança. No entanto, a humildade também pode ajudar. Reconheça que enquanto traz muito para a mesa, tem a certeza de que pode aprender mais. Posicionar-se desta forma perante o entrevistado, ajudará a garantir que não está a procurar entrar e impor o que sabe, que tem capacidade de adaptação a novas situações e que está disposto a trabalhar em equipa.

#3 PREPARAR-SE PARA A ENTREVISTA VIRTUAL

Cada vez mais, as empresas estão a utilizar a videoconferência para realizar entrevistas iniciais com potenciais candidatos. Familiarize-se com a plataforma e teste-se para se certificar de que tudo está configurado corretamente.

Poderá também considerar a realização de uma entrevista simulada com um amigo ou serviço profissional, para se sentir confortável com o formato.

#4 NÃO TENHA RECEIO DE FALAR DOS SEUS CONHECIMENTOS DE TECNOLOGIA, OU DA FALTA DELES

Falando de tecnologia, uma das razões pelas quais o envelhecimento existe é porque as gerações mais jovens são nativas da tecnologia e são previsivelmente melhores do que alguém na casa dos 50 anos. É claro que não é necessariamente esse o caso.

LEIA TAMBÉM: Saúde mental em teletrabalho: Adecco com formação inédita

Procure oportunidades durante a entrevista para mencionar como se tem mantido a par das últimas tecnologias na sua área profissional. Se domina as ferramentas e plataformas atuais, e pretende ter mais probabilidade em conseguir trabalho depois dos 50 anos, explique como as aproveitou para resolver problemas ou criar resultados no seu último trabalho. Desta forma, terá mais hipóteses de conseguir passar pela entrevista de emprego.

#5 DEFENDA AS SUAS REDES SOCIAIS (OU A SUA FALTA), NA PROCURA DE TRABALHO DEPOIS DOS 50 ANOS

A sua primeira impressão na paisagem de contratação de hoje é o seu perfil no LinkedIn, não o seu currículo. Se não tiver uma página no LinkedIn, será uma das perguntas que o recrutador lhe fará. Antes de iniciar a reunião, peça a alguém de confiança para o ajudar a ter a certeza de que tem um perfil bem pensado e bem-apresentado no LinkedIn, com uma foto profissional de alta qualidade.

#6 FOCO NO PRESENTE

O processo de entrevista e seleção de hoje centra-se mais na capacidade do candidato de trabalhar em colaboração como parte de uma equipa maior. As organizações valorizam muito as competências pessoais dos candidatos, a sua capacidade de trabalhar e motivar tanto as colegas de equipa, como os seus pares.

LEIA TAMBÉM: Requalificação profissional: 85% dos trabalhos de 2030 ainda não foram “inventados”

Como candidato ao mercado de trabalho depois dos 50 anos, deve demonstrar que fez o seu trabalho de casa, conhecer a empresa e os seus valores e pode articular como eles se alinham com quem é, tanto pessoal como profissionalmente. A paixão pela empresa e a sua missão é imperativa.

#7 NÃO EXAGERE AS SUAS DÉCADAS DE EXPERIÊNCIA

Em vez de jogar a carta de “já lá estive, já o fiz”, que poderia colocá-lo na pilha dos candidatos overqualified ou não estar ajustado à posição, concentre-se em vender as suas realizações relevantes. Os seus entrevistadores não precisam de saber tudo o que fez ou é capaz de fazer; na sua maioria, eles preocupam-se com o que fez recentemente que se relaciona com a posição em que se encontra agora.

Selecione cuidadosamente as peças-chave da sua formação que demonstrem as suas qualificações e será aceite na entrevista de emprego.

8. REMOVER A BARREIRA ETÁRIA PARA PASSAR A ENTREVISTA DE TRABALHO DEPOIS DOS 50 ANOS

Se procura trabalho depois dos 50 anos e está a candidatar-se a uma empresa “jovem”, mude a sua abordagem. Estabeleça-se como um líder que demonstrou a adaptabilidade necessária para ter sobrevivido e prosperado através das grandes mudanças no local de trabalho dos últimos 20 anos. Independentemente da idade de quem o entrevista, se conseguir construir com sucesso a sua marca pessoal, a sua mensagem, idade e experiência serão vistas como um ativo valioso para a organização.

LEIA TAMBÉM: Ambiente de trabalho positivo: 10 sinais a valorizar

Os recrutadores hesitam por vezes em contratar trabalhadores mais velhos porque as suas necessidades salariais são provavelmente mais elevadas e porque podem ter aspirações de reforma antecipada, por isso prepare-se para tal eventualidade. Não tenha medo de ser pró-ativo durante a entrevista para assegurar que não sejam feitas suposições sobre a sua candidatura. Por exemplo, explique como este papel se enquadra nos seus planos a longo prazo em termos de querer passar pela entrevista de emprego.

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Inês Maia e Silva

967 521 865

[email protected]

VIAhttps://presspoint.pt/tag/adecco/
Artigo anteriorJoão Farinha: “Solto” elogiado pela crítica na Holanda
Próximo artigoFraude por email: maiores empresas portuguesas não conseguem proteger clientes
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".