industria textil e do vestuario
32% do total de trabalhadores da indústria transformadora desta região está ao serviço da indústria têxtil e do vestuário

A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) pediu ao Governo um reforço das atuais medidas de apoio ao emprego e à economia para a indústria têxtil e do vestuário, um dos setores industriais estratégicos desta região, por forma a evitar um crescimento acelerado do encerramento de empresas e, consequentemente, do desemprego.

Entre as medidas reivindicadas pela CIM do Tâmega e Sousa ao Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, estão a possibilidade de acesso das empresas ao regime de “layoff simplificado”, para que seja possível suspender parcial e temporariamente a atividade industrial, sem perda de postos de trabalho, bem como a revisão dos encargos para as empresas no “apoio extraordinário à retoma progressiva” e no “apoio excecional à família”, cruciais para a sobrevivência das empresas e para o equilíbrio económico e social do Tâmega e Sousa.

De acordo com os dados do INE – Instituto Nacional de Estatística, esta região foi particularmente atingida pelo impacto económico causado pela pandemia de Covid-19. Em 2020, as exportações de têxteis e vestuário registaram uma quebra de quase 30%, sendo que a subcategoria de vestuário de tecido apresenta o valor ainda mais alto, com uma redução de mais de 40%.

Estas quebras terão, necessariamente, reflexo na estrutura empresarial da indústria têxtil e do vestuário, que na região do Tâmega e Sousa emprega quase 19 mil pessoas, 17 mil das quais na produção de vestuário. Ou seja, 32% do total de trabalhadores da indústria transformadora desta região está ao serviço deste setor.

Não existem perspetivas de retoma para a indústria têxtil e do vestuário

Nos contactos que tem mantido com os representantes das associações setoriais – ANIVEC/APIV – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção e ATP – Associação Têxtil e Vestuário em Portugal –, a CIM do Tâmega e Sousa percebeu que, nos próximos meses, não existem perspetivas de retoma nos principais mercados europeus – que representam 75% das exportações de têxteis e vestuário do Tâmega e Sousa –, receando, por isso, pelos efeitos devastadores que esta realidade possa ter nas empresas e no emprego na região.

LEIA TAMBÉM: Mariana Ralo – Tapestries: a arte de aplicar tecelagem manual à decoração de interiores

Como se pode perceber por estes indicadores, no Tâmega e Sousa a indústria têxtil e do vestuário tem uma grande importância ao nível da produção de riqueza e do emprego, pelo que qualquer alteração na “saúde” das empresas se reflete no equilíbrio económico e social dos municípios que integram a CIM do Tâmega e Sousa – Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Penafiel e Resende –, sendo, por isso, fundamental, que o Governo reforce os apoios a estas empresas.

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Ivone Barbosa

[email protected]

CIM do Tâmega e Sousa

FONTEComunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa
Artigo anteriorDesconfinamento: critérios são atingidos a meio de março
Próximo artigoPluralizando o Antropoceno: Reimaginando o Futuro do Planeta no Século XXI
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".