Num mundo dominado pela digitalização e onde a informação está constantemente a ganhar proeminência, o sector dos centros de dados está em plena expansão e crescimento, e com ele, um aumento da procura de energia. As instalações estão a consumir cada vez mais recursos para poder manter os níveis de conectividade exigidos pela era actual, uma tendência confirmada pelos próprios dados.

De acordo com o relatório anual Cisco Visual Networking Index, o tráfego IP global atingirá 4,8 Zettabytes até 2022, e de acordo com as estimativas da Cushman & Wakefield, cerca de 100 mil milhões de dólares foram adicionados ao valor do negócio dos centros de dados durante a última década. Em particular, o crescimento dos centros de dados modulares é significativo e, segundo um estudo, este sector crescerá a uma CAGR (taxa de crescimento anual composta) de 22,3% durante a próxima década.

No entanto, em paralelo com esta tendência, encontramos uma que se tornou muito forte nos últimos anos: o caminho para a eficiência e sustentabilidade.

Sem ir mais longe, um estudo recente publicado pela Bloomberg salienta que a estratégia da União Europeia a este respeito é transformar o sector dos centros de dados europeus de modo a torná-lo neutro em carbono até 2030. Os 0,8% do gasto mundial de energia em 2019 vieram do consumo dos centros de dados, e as previsões indicam que este valor será mantido até 2022 graças às tendências na eficiência do hardware destas infra-estruturas, de acordo com a IEA.

Renováveis na rota dos centros de dados

A Eaton, líder em gestão de energia, salienta o problema da pegada de carbono gerada pelos centros de dados e propõe a integração de energias renováveis nos mesmos, como a direcção a seguir para inverter esta tendência e construir um futuro mais sustentável.

LEIA TAMBÉM: Eaton e Green Motion unem forças para facilitar armazenamento de energia em edifícios

Neste sentido, Javier Martínez, Sales Application Engineer da Eaton, comenta que “a chegada das energias renováveis permite-nos aproveitar mais do que nunca a capacidade que os centros de dados têm tido durante anos, a de armazenar e gerir grandes quantidades de energia. A integração da energia renovável num centro de dados requer um controlo absoluto sobre ela; e a forma como a energia é gerida neste tipo de instalações é a capacidade que dá esse controlo“.

Armazenamento de energia para um centro de dados mais verde

Para alcançar este objectivo de sustentabilidade, é essencial investir numa instalação crítica, como uma ou várias UPS que assegurem a continuidade da produção no caso de uma contingência eléctrica. Desta forma, os operadores destas instalações são dotados da capacidade de armazenar energia que pode ser utilizada a pedido para fornecer energia limpa e fiável, bem como uma fonte de energia de reserva.

Graças a este sistema, os operadores podem participar em programas de resposta à procura, vendendo energia de volta à rede e/ou maximizando o consumo de energia renovável produzida localmente para alimentar os edifícios. O sistema terá sempre um certo nível de armazenamento dedicado à sua missão principal, que é a de um fornecimento ininterrupto de energia, e a energia excedente pode ser utilizada como desejado.

LEIA TAMBÉM: Cibersegurança e fornecimento de energia em situações de teletrabalho

Estamos a falar aqui de sistemas modulares e escaláveis que crescerão e se adaptarão às instalações conforme as necessidades e não o contrário, podendo atingir potências de vários megawatts, bem como de vários megawatts-hora, com uma grande capacidade de armazenamento nestes ambientes“, explica o mesmo responsável.

Optimização do investimento para reduzir a pegada de carbono

Se os centros de dados procuram explorar a energia limpa para eliminar essa pegada de carbono, o principal objectivo deve ser optimizar o investimento e concentrar-se em fornecer energia de alta qualidade, defende a Eaton, enumerando os seis pontos necessários para tornar uma instalação ininterrupta:

  1. Integrar a energia renovável no fornecimento normal de energia de uma instalação.
  2. Armazenar energia de uma fonte renovável para utilização num período de pico de facturação, a fim de reduzir a procura de energia da rede eléctrica comercial.
  3. Participar em programas de resposta à procura, de acordo com os regulamentos locais de cada território.
  4. Estudar a integração de estações de carregamento de veículos eléctricos neste tipo de instalação.
  5. Para poder devolver a energia restante à rede eléctrica, se as condições forem cumpridas.
  6. Para apoiar desconexões ocasionais da rede.

LEIA TAMBÉM: APIs, um impulso inevitável à consolidação da Indústria 4.0

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Sofia Velasco

932 101 396

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here