análise do mercado imobiliário

A CASAFARI, proptech portuguesa que detém a mais completa base de dados do mercado imobiliário em Portugal, divulga hoje um relatório de análise do mercado imobiliário em 2020, com destaque para os distritos de Lisboa, Porto e Faro, e uma análise geral da evolução dos preços de venda, por distrito, ao longo do ano.

O relatório conclui que, em 2020, mesmo em situação de pandemia, os preços dos apartamentos para venda, em Portugal, mantiveram-se resilientes, e o mercado imobiliário manteve-se estável aos efeitos da pandemia COVID-19. No entanto, e face à atual crise no setor do turismo, a oferta de casas para arrendar registou uma subida considerável, 78.17% quando analisamos, por exemplo, o crescimento da oferta da tipologia T1 para arrendamento no distrito de Lisboa.

Esta análise do mercado imobiliário revela assim dados relevantes sobre o setor imobiliário em Portugal, no que se refere ao mercado de compra e arrendamento de apartamentos usados no país, e o impacto da pandemia ao longo de um ano considerado atípico.

Análise do mercado imobiliário em Portugal

Os preços de venda de apartamentos usados, em Portugal, registaram um aumento de 5.69% em 2020, em plena pandemia, fixando-se em 2.146 euros por metro quadrado (m2).

Todos os distritos, à exceção de Viseu, que registou uma quebra de 4.62%, assistiram a um aumento dos preços médios, em 2020. Destaca-se o distrito de Braga, a registar a maior subida do ano, com um crescimento de 9.09%, e Bragança, com uma subida de 8.21%. Segue-se o distrito da Guarda (8.76%) e Coimbra (7.87%), na Região Centro.

Lisboa continua a ser o distrito com os preços mais elevados, sendo, no entanto, o que registou o menor crescimento – de apenas 0.87%, nos preços médios de venda de apartamentos usados ao longo de 2020.

No que toca ao arrendamento, é de salientar que todos os distritos, em Portugal, assistiram a um aumento do stock disponível, registando uma subida considerável, de 67%, impulsionado pela crise no setor do turismo, num total de 43.235 apartamentos disponíveis para arrendar.

Os preços dos apartamentos para arrendar diminuíram 11.74% em 2020, fixando-se em 11 euros por metro quadrado (m2), com o preço médio de arrendamento a situar-se em €820. O distrito de Lisboa é o que apresenta, à semelhança do verificado na venda, o preço por metro quadrado mais elevado, a rondar os 13 euros/m².

Leia também: CASAFARI lança Market Analytics para acompanhar o mercado imobiliário em tempo real

O panorama no distrito de Lisboa

Em relação à evolução dos preços médios de venda e do stock de apartamentos disponíveis, de acordo a análise do mercado imobiliário da CASAFARI é de referir que a tipologia T3, entre as três tipologias analisadas (T1 / T2 / T3), foi a única que verificou um decréscimo na evolução do preço médio de venda (-0.05%), com a tipologia T1 a verificar o maior aumento, de 6.23%. No que se refere à oferta de apartamentos disponíveis, é de realçar um aumento na ordem dos 50%, para as tipologias analisadas. A tipologia T1 foi a que apresentou o maior crescimento da oferta disponível (52.95%), seguindo-se a tipologia T3 (50.43%) e posteriormente a tipologia T2 (49.22%).

No que se refere aos preços médios de arrendamento e oferta de apartamentos disponíveis, é de realçar a quebra de preços nas três tipologias analisadas, com maior incidência para a tipologia T3, a registar uma quebra de 15.49%. Por sua vez, a oferta de casas disponíveis para arrendamento registou um elevado crescimento, em todas as tipologias analisadas, consequência da crise no setor do turismo que levou a que diversos proprietários de alojamentos locais disponibilizassem os seus imóveis no mercado de arrendamento de longa duração. A tipologia T1 foi a que apresentou o maior crescimento da oferta disponível, um aumento de 78.17%. A nível global, verificou-se um aumento de 70.30% no stock de apartamentos disponíveis, que se traduz num total de 24.210 imóveis para arrendar no distrito de Lisboa, com o preço médio de arrendamento a situar-se em €1.016.

Os concelhos de Lisboa, Cascais e Oeiras destacam-se como os mais caros da Grande Lisboa, com preços médios de venda de €444,213, €416,543 e €331,481, respetivamente, enquanto os concelhos de Alenquer, Azambuja e Cadaval apresentam os preços médios de venda mais acessíveis para apartamentos usados.

Leia também: Mercado da habitação atinge valores máximos em vários indicadores

Distrito do Porto regista preços de venda mais altos e de arrendamento em queda

A norte, o distrito do Porto registou variações positivas tanto relativamente aos preços médios, como ao stock disponível de apartamentos para venda, para as três tipologias analisadas. Após uma ligeira quebra dos preços médios no terceiro trimestre, os preços recuperaram o seu crescimento ao longo do quarto trimestre, com a tipologia T1 a verificar o maior crescimento dos preços médios (8.50%), e a tipologia T3 a registar o maior aumento do stock disponível, uma subida de 19.56%.

No mercado de arrendamento verificou-se um decrescimento dos preços médios e um aumento do stock disponível nas três tipologias analisadas. A tipologia T2 é a que apresenta uma maior variação em relação ao preço, com uma quebra de 10.08%, e a tipologia T1 a registar o maior aumento no stock disponível, atingindo um crescimento de 72.12%. A nível global, verificou-se um aumento de 70.40% no stock de apartamentos disponíveis, que se traduz num total de 7.254 imóveis para arrendar no distrito do Porto, com o preço médio de arrendamento de €683.

Porto, Matosinhos e Póvoa de Varzim são os concelhos que apresentam um preço médio de venda mais elevado, com uma média de €283,916, €238,428 e €185,448 respetivamente, e os concelhos de Lousada, Amarante e Marco de Canaveses a apresentar os valores mais baixos.

Leia também: Investimento estrangeiro no imobiliário do Porto e Norte superior à média nacional

Análise do mercado imobiliário do distrito de Faro revela preços em crescimento, em todas as frentes

A sul, no distrito de Faro, verificou-se um aumento dos preços e da oferta de apartamentos para venda, para as três tipologias analisadas. A tipologia T1 foi a que registou o maior aumento de preços, com uma subida de 1.86%, e a tipologia T3 a registar a maior subida na oferta de imóveis disponíveis, que se reflete num aumento de 18.12%.

Relativamente ao mercado de arrendamento no distrito de Faro, é de realçar o elevado aumento da oferta de imóveis disponíveis, que rondou os 70% para as três tipologias analisadas. No que toca aos preços, a tipologia T2 foi a única a registar um ligeiro aumento, na ordem dos 0.94%. A nível global, verificou-se um aumento de 71.65% no stock de apartamentos disponíveis, que se traduz num total de 2.858 imóveis para arrendar no distrito de Faro, com o preço médio de arrendamento de €671.

Segundo a análise do mercado imobiliário da CASAFARI, Loulé, Vila do Bispo e Lagos apresentam-se como os concelhos com os preços médios de venda de apartamentos usados mais elevados, €296,269, €272,583 e €262,295 respetivamente, com Silves, Vila Real de Santo António e Alcoutim a registarem os valores mais baixos.

Para Nils Henning, fundador da Casafari, “os dados obtidos através deste relatório mostram que apesar da pandemia, o valor dos ativos imobiliários manteve-se elevado e os preços têm-se verificado estáveis, o que nos leva a crer que, se a tendência atual se mantiver, o impacto da pandemia no mercado, poderá ser reduzido em áreas onde já existia uma elevada procura antes da pandemia. No entanto, é de salientar que o arrendamento apresenta um cenário diferente, com novas tendências impulsionadas pela pandemia, tais como o trabalho remoto, e que leva a uma maior procura por áreas menos centrais e longe dos centros urbanos”.

Através de inteligência artificial e machine learning, a CASAFARI agrega milhares de fontes de informação com propriedades disponíveis à venda na Internet, evitando a sua duplicação e agregando toda a informação atual e histórica de cada imóvel – o que oferece, em tempo real, os dados e o histórico de mais de 5,9 milhões de propriedades únicas, colocando este relatório de análise do mercado imobiliário como um dos mais fiáveis e relevantes no que se refere ao mercado imobiliário em Portugal.

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Cátia Gil – CorpCom

t: +351 213 026 150 | m: +351 96 550 02 07 | Mail: [email protected]

FONTECasafari
Artigo anteriorOs desafios organizacionais na gestão de pessoas para 2021
Próximo artigoMais literacia em saúde em Portugal com “A Saúde no Saber”
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".