manufatura aditiva metais
Investigação sobre manufatura aditiva de metais é muito importante para a aeronáutica e o setor automóvel

Um estudo internacional, na área das tecnologias de manufatura aditiva de metais, liderado pelo cientista Norberto Pires, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), acaba de ser distinguido pela revista científica Emerald.

O artigo científico “Implementation of a robot control architecture for additive manufacturing applications”, que tem como coautores Filipe Monteiro Ribeiro (na altura aluno de mestrado da Universidade de Coimbra) e Amin Azar, do Instituto Tecnológico para a Indústria da Noruega (SINTEF, na sigla inglesa), foi premiado com o “Emerald Literati Award 2020” na categoria “Outstanding Paper”.

Segundo o grupo editorial da revista, responsável pela escolha dos trabalhos vencedores, este artigo foi «um dos trabalhos mais excecionais publicados ao longo do ano 2019». É já a segunda vez que o cientista da FCTUC é galardoado com o prémio de melhor artigo do ano, o que é raro, uma vez que a competição é muito grande.

O estudo agora premiado, realizado em colaboração com o fabricante de software RoboDK, no Canadá, faz parte de um projeto mais amplo de desenvolvimento de sistemas robotizados e competência na área da manufatura aditiva de metais, iniciado em 2018 pela equipa de Norberto Pires.

Estudo sobre manufatura aditiva de metais é muito importante para as industrias aeronáutica e automóvel

No essencial, explica o investigador da FCTUC, «os sistemas desenvolvidos centram-se na capacidade de imprimir metais tendo por base dois tipos de sistemas de impressão: baseados em soldadura CMT (Cold Metal Transfer), para peças de maior dimensão, com capacidade estrutural, e baseados em deposição por laser, para novas ligas metálicas e peças mais pequenas e muito difíceis de construir por métodos tradicionais (essencialmente na área da indústria aeronáutica e automóvel)».

Nesses desenvolvimentos, esclarece, «dada a enorme complexidade das peças, o que gera trajetórias de impressão complexas e muito complicadas de realizar, desenvolvemos software próprio para o corte das peças em camadas, para o cálculo de trajetórias do robô e para a simulação em tempo real de todo o sistema (digital twin). Nesse esforço, estabelecemos parcerias com várias empresas que produzem software acessório para estas áreas».

Graças aos resultados obtidos nos vários estudos realizados no âmbito deste projeto alargado, foi possível obter financiamento, por exemplo, da TATA Steel (Índia), uma das maiores fornecedoras de metal do mundo, e da Agência Nacional de Inovação (ANI), para criar o Laboratório de Fabrico Aditivo da Universidade de Coimbra, que está instalado no Laboratório de Construção Metálica e Mista do Departamento de Engenharia Civil da FCTUC.

LEIA TAMBÉM: “Automação e Controlo Industrial – Indústria 4.0” em livro

«Esse equipamento permite à UC colocar-se na vanguarda da investigação e desenvolvimento na área, prestando também serviço ao exterior, o que significa ajudar a economia nacional a tornar-se muito mais competitiva e a liderar nesta área», assinala Norberto Pires.

Importante para o desenvolvimento da área de manufatura aditiva de metais, o prémio agora obtido, declara ainda o docente do Departamento de Engenharia Mecânica da FCTUC, «para além da satisfação pessoal por ver reconhecido o meu trabalho e da minha equipa, constituída por mais de uma dezena de pessoas, entre doutorados e alunos de doutoramento, é a confirmação de que somos capazes de fazer desenvolvimentos ao mais alto nível internacional e, com investimento, podemos produzir conhecimento que nos distingue e pode ajudar fortemente a nossa economia e as nossas empresas a serem competitivas».

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Cristina Pinto

Assessoria de Imprensa – Universidade de Coimbra • Reitoria

Comunicação de Ciência

91 7575022 | 96 9728546

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome