Feira Medieval de Silves conta história de Al-Gazalī

XVI edição evento, que decorre de 9 a 18 de agosto, já tem imagem e enredo.

0
103
feira medieval de silves
XVI Feira Medieval de Silves recriará uma imagem vívida e dramática dos personagens principais

O Município de Silves apresentou nos seus canais de comunicação a imagem da XVI Feira Medieval de Silves. Criada mais uma vez pelo fotógrafo André Boto, reflete a história que este ano será retratada no evento e que dá a conhecer a partida do porto de Silves de Al-Gazalī, embaixador muçulmano que partiu em missão diplomática à terra dos Majus (Vikings), no ano de 844 e a sua permanência junto deste povo do norte da Europa. Esta história representa a mais antiga fonte escrita relativa a esta que foi uma das mais distintas cidades do Gharb al-Andalus.

«Nesta edição da Feira Medieval de Silves trazemos, novamente, a todo o público um evento forte e com uma dinâmica única na região», revela a Presidente da Câmara Municipal de Silves, Rosa Palma e prossegue: «Em 2019 vamos dar a conhecer algo que, se calhar, poucos sabem, mas que faz parte desta história tão rica do nosso concelho: a relação que Silves teve com os Vikings, que ameaçaram o Gharb no século IX, e, por isso, saiu de Silves (Xilb) uma embaixada liderada por um astuto diplomata e poeta, chamado Yahya b. Ḥakam al-Bakrī, melhor conhecido por Al-Gazalī (A Gazela), que ao serviço de Abd al-Rahman II se dirigiu ao norte da Europa, ao encontro dos Vikings, para negociar a paz, que acabou por durar aproximadamente um século».

Rosa Palma destaca que dar a conhecer «toda esta história é já uma novidade, mas teremos mais pontos de animação e surpresas no fantástico cenário natural da cidade, que é perfeito para a realização deste evento e que contribuirão para cimentar o prestígio que o certame granjeou ao longo destes anos no Algarve, no país e até mesmo na Europa».

Para a XVI Feira Medieval de Silves procurou-se criar uma imagem vívida e dramática dos personagens principais: Al-Gazalī descrito como poeta e hábil diplomata, homem de reconhecida formosura, mas também dotado de subtileza, audácia, coragem, perseverança, habilidade para a réplica clara e contundente; e dos dois personagens vikings de que a história fala, o Rei e a sua Esposa, a Rainha Nur.

A intensidade das luzes, das cores e das sombras revela a relação intensa que estabeleceram e o olhar dos modelos, marcado e profundamente dirigido ao espetador, permite a compreensão dos dilemas interiores que certamente viveram estes personagens.

Feira Medieval de Silves: conheça as personagens…

feira medieval de silvesAndré Boto é, mais uma vez, o fotógrafo escolhido para a criação desta imagem. Com origens em Silves, o seu currículo inclui inúmeras distinções entre as quais, a última, recebida há poucos dias, a Medalha de prata no concurso MIFA – Moscow Internacional Foto Awards 2019, Rússia.

As personagens são retratadas por voluntários e não por modelos profissionais, pessoas que conhecem e que visitam a feira habitualmente.

Jose Rocio é quem representa Al-Gazalī. «Sempre tive uma atração por tudo o que envolvesse a temática da cultura árabe, quiçá pela partilha de raízes ibérico-andaluzas que me correm no sangue ou talvez pelo exotismo e misticismo que associamos à ocupação árabe», conta e relembra que o seu primeiro contacto com a Feira Medieval foi no início dos anos 2000 e que, desde então, não tem perdido uma edição.

O Rei viking será retratado por Bruno Parello Almeida, que viveu em Barcelona durante 26 anos e aí realizou diversos trabalhos como ator, figurante, duplo, especialista. Agora, de regresso ao Algarve, de onde é natural e encantado com a Feira Medieval de Silves, marca presença na edição deste ano.

A Rainha Nur terá o rosto de Solomiya Mykhaylyshyn, conhecida entre os amigos por Mia. Esta jovem de origem ucraniana reside em Portugal desde 2005, mais precisamente em Armação de Pêra e tem os traços que se associam a uma nórdica. Participar nesta sessão fotográfica «foi uma experiência maravilhosa, pois sempre quis experimentar o papel de uma mulher desses anos», revela.

Ricardo Percheiro é o rosto menos visível da imagem deste ano, mas ainda assim determinante para que esta história se perceba. Funcionário da autarquia e habitualmente um dos que trabalha na Feira Medieval de Silves, um alentejano desde sempre ligado às artes e ao desporto, confidencia que a sua «série preferida é a Guerra dos Tronos» e que esta aventura de participar na criação da imagem da feira o fez sentir como as personagens da sua história preferida.

Anita Oliveira (do salão de cabeleireiro Anita, em Silves) realizou, também por mais um ano, a caracterização dos personagens – cabelo e make up -, com grande qualidade. Esta técnica formou-se na Alemanha e exerce a profissão há mais de 30 anos, realizando formações constantes, para aperfeiçoamento da técnica.

Informação geral da Feira Medieval de Silves:

Abertura da Feira Medieval de Silves – 18h00 | Cortejo pelas Ruas e Largos da Medina
Leitura da Xaria do Dia – 18h30 | Portas da Cidade
Torneio de Armas – 20h00 | Praça Al-Mu’thamid
Espetáculo no Castelo – 22h30
Torneio de Armas – 22h30 | Praça Al-Mu’thamid

Contextualização histórica da Feira Medieval de Silves:

Estamos no ano de 844 e, vinda dos seus estaleiros de construção naval é lançada ao rio da bela cidade de Xilb, uma embarcação que ali fora construída pelo mais ilustre dos mestres, com recurso a avançadas técnicas de marear. O cuidado posto na sua ornamentação mostra bem a nobreza do seu propósito. Hoje mesmo, nela embarcará o mais hábil dos diplomatas que o al-Andalus já conheceu.

É, de todos sabido, que os Majus (Vikings), não largam a nossa costa e que em Córdova o emir está preocupado. Ainda há poucos dias oitenta potentes embarcações se aproximaram da cidade de Lisboa deixando em pânico as populações. Mais para oriente, cidades como Sevilha e Cádis já foram atacadas e saqueadas, tendo a primeira permanecido sob o domínio normando por cerca de um mês, findo o qual foi recuperada e, os do Norte, rechaçados. A instabilidade vivida e a ameaça constante tornam-se insustentáveis pelo que o rei dos normandos veio propor a paz e o nosso Abd al-Rahman II ordenou que a mesma fosse negociada.

Para o desenlace de tão importante missão é escolhido Yahya b. Ḥakam al-Bakrī, poeta e hábil diplomata, melhor conhecido por Al-Gazalī (A Gazela), não só pela sua reconhecida formosura mas também por ser dotado de subtileza, audácia, coragem, perseverança, habilidade para a réplica clara e contundente e facilidade em entrar e sair por qualquer porta. Este faz-se acompanhar de Yahya b. Habīb e, juntos, são portadores de uma resposta à petição do rei normando e de um presente para retribuir o que havia sido ofertado por aquele monarca.

Escolhida por possuir arsenais que trabalham com o melhor madeirame

A nossa cidade, por possuir arsenais que trabalham com o melhor madeirame, riqueza obtida na nossa serra; e um porto de águas calmas que nos levam até ao mar, não muito distante, foi escolhida pelo emir para embarque de Al-Gazalī. Ao lado do seu barco segue, noutra embarcação, o emissário normando e, mais atrás seguirei eu, incumbido do relato da missão.

Içadas as velas quadradas dos nossos barcos e apanhando o vento de feição, em pouco tempo passámos Zawayya (Lagos?) e avistámos o promontório. Ali fomos surpreendidos por uma forte tempestade que a custo ultrapassámos, ainda que com dano sobre uma das embarcações, pois as vagas eram tão altas quanto as montanhas circundantes. Passado este perigo chegámos à primeira das ilhas normandas onde aportámos para reparar o barco e descansar da fadiga causada pela tormenta. Dali até ao palácio do rei eram ainda 300 milhas que alcançámos sem sobressaltos.

O palácio localiza-se numa das muitas ilhas verdejantes onde habitam muitos pagãos, tantos que é impossível contá-los. Ali, o rei mandou que nos preparassem luxuosos aposentos e organizou uma festa para nos saudar. Dois dias depois mandou chamar-nos e, o nosso embaixador informou, que não se ajoelharia perante ele nem faria nada que não fosse de acordo com os seus costumes. O rei concordou mas mandou preparar uma entrada tão baixa que obrigava a embaixada andaluza a entrar de joelhos.

Astuto, Al-Gazalī entrou sentado e logo após a passagem ergueu-se adotando porte altivo e determinado e dirigindo ao monarca as seguintes palavras: “Que a paz esteja contigo, oh rei, contigo e com toda a tua assembleia, com respeito te apresento os meus cumprimentos. Desejo-te longa vida e que o poder nunca te abandone, aqui e na eternidade, e que continues sob a proteção divina”.

Dois meses na corte normanda

Após as suas palavras terem sido traduzidas o rei exclamou: “És o mais sábio que já encontrei entre o teu povo. Tentei humilhar-te e respondeste-me com as solas dos sapatos. Se não fosses apenas um embaixador levar-te-ia a mal”. Vitorioso Al-Gazalī entregou-lhe a carta de Abd al Rahman, que foi lida, traduzida e muito apreciada. De seguida foram entregues os presentes, que o rei normando igualmente apreciou, tendo agradecido e pedido à embaixada muçulmana que retornasse aos seus aposentos.

Quem de imediato simpatiza com o diplomata é Nud, a esposa do rei, que o convoca para o seu salão e com ele desenvolve grande amizade, levando a que passem juntos longos dias falando sobre os costumes dos seus povos e a beleza da rainha, que Al-Gazalī exalta em seus belos poemas. Porém, as frequentes visitas rapidamente excitam a curiosidade das gentes do palácio motivando conselhos dos mais chegados, que pedem prudência e distanciamento.

Achando falta do companheiro de longas, desafiantes e envolventes conversas, Nud manda chamá-lo e pergunta a que se deve o seu afastamento. O poeta não oculta a verdadeira razão, que a faz rir e a leva a explicar-lhe, que nos seus costumes o ciúme não existe, e que as mulheres só estão com os seus maridos enquanto estes lhes agradarem.

Passados dois meses na corte normanda, gozando da companhia da bela rainha, Al-Gazalī regressa com a paz conquistada, passando antes por Santiago de Compostela e pelo belo reino de Castela. Apesar disso, década e meia depois os Vikings voltam a assolar a costa andaluza mas, já tinham passado mais de cem anos quando volveram à cidade de Silves onde, no nosso rio Arade, travaram dura batalha que não lograram vencer. Estávamos no ano 966 e foi a ultima vez que os Vikings foram vistos por estas bandas.

A partida do porto de Silves de Al-Gazalī, em missão diplomática à terra dos normandos no ano de 844, representa a mais antiga fonte escrita relativa a esta que foi, uma das mais distintas cidades do Gharb al-Andalus.

Informações adicionais para a Comunicação Social:
Gabinete de Informação e Relações Públicas
Município de Silves
Telefone: 282 440 800 | Ext: 1110
Fax: 282 440 851
http://www.cm-silves.pt/

Se gostou deste artigo considere também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome