como garantir a segurança das contas bancárias

A Electronic IDentification(eID), líder europeia em soluções de identificação por vídeo e Assinatura Digital Qualificada, explica hoje como garantir a segurança das contas bancárias.

A pandemia de COVID-19 trouxe um ambiente de incerteza, mas, ao mesmo tempo, acelerou a digitalização, obrigando as empresas e os cidadãos a intensificar a sua formação e capacidades tecnológicas para continuarem a realizar operações quotidianas em ambiente online. No setor bancário, por exemplo, isto significou um aumento das interações eletrónicas nos processos que habitualmente eram realizados nas agências, como a abertura de conta online ou a concessão de um crédito.

Para ganhar a confiança dos cidadãos e evitar as ameaças de fraude e roubo de dados no mundo digital, os bancos precisam de investir em cibersegurança, e em especial na tecnologia necessária para garantir a proteção total das contas bancárias.

Os ataques mais comuns para clientes e empresas

O phishing é o ciberataque mais frequente e o seu alvo direto é o consumidor. É uma técnica fraudulenta que utiliza contas de e-mail ou websites que imitam os de instituições de confiança ​​(governos, bancos, etc.) para solicitar informações pessoais às vítimas, como os seus números de conta ou palavras-passe. Este tipo de ataque pode comprometer bastante a segurança das contas dos clientes bancários.

Outro ataque que não requer tecnologia é a engenharia social. Os criminosos tentam ganhar a confiança das vítimas, levando-as a divulgar voluntariamente informações como os detalhes da conta bancária e os requisitos de segurança.

Já no que diz respeito aos ataques às empresas, destaca-se o roubo de dados. As empresas mais vulneráveis tendem a ser as de retalho, as companhias aéreas, os serviços de streaming e, novamente, os bancos. Sem a tecnologia e as medidas de segurança adequadas, a segurança de qualquer conta bancária pode ser facilmente corrompida.

Como garantir a segurança das contas bancárias

Melhorar a segurança das contas bancárias depende de dois fatores, ambos ligados à tecnologia: aumentar a consciencialização e educação das pessoas quanto à cibersegurança, para evitar o phishing e roubo de identidade, e assegurar que as instituições financeiras têm sistemas de segurança robustos e difíceis de invadir.

Os bancos sabem como garantir a segurança das contas bancárias e recorrerem a algumas soluções relativamente simples:

  • Autenticação de dois fatores – forma de identificação que requer a verificação de algo que o cliente conhece (como uma palavra-passe), possui (como o telemóvel) ou é (biometria), bastando um destes fatores falhar para que uma operação bancária seja cancelada. A eID desenvolve e implementa tecnologias de autenticação de dois fatores, como o reconhecimento facial, as senhas de utilização única e as assinaturas eletrónicas. O SignatureID, focado na assinatura digital, oferece uma solução à medida para as necessidades das empresas em ambiente omnicanal.
  • Biometria – uma forma de garantir a segurança da abertura de contas bancárias online, já bastante utilizada entre os clientes que aderem ao online banking. Envolve o reconhecimento de características físicas únicas – como uma impressão digital através de um sensor, ou o rosto através de uma câmara. O algoritmo de reconhecimento facial biométrico da eID recorre à Inteligência Artificial e ao machine learning para uma verificação de identidade rápida e 100% segura no acesso às contas bancárias.
  • Alertas instantâneos –As contas bancárias podem ser monitorizadas através de um dispositivo, como um telemóvel, que recebe notificações push ou mensagens quando uma transação está prestes a ser efetuada. Esta tecnologia está a tornar-se cada vez mais comum, porque fácil de utilizar e permite a verificação rápida e em tempo real da utilização legítima das contas.
  • Geolocalização –Aceder à localização de um dispositivo para iniciar a sessão permite monitorizar a possível ocorrência de um ciberataque. Ao detetar o acesso num local suspeito, o sistema pode enviar uma mensagem ao cliente com essa localização para confirmar se é o próprio que está a tentar autenticar-se.
  • Caixas de entrada seguras – Se a autenticação de dois fatores não estiver ativa, o e-mail pode não ser o meio mais seguro para comunicar informações confidenciais. Uma das soluções passa por enviar notificações para a caixa de entrada da aplicação bancária como forma de garantir que as mensagens são autênticas.

O contributo da eID para uma abertura de conta online mais segura

A Electronic IDentification é o aliado perfeito para aumentar a segurança das contas bancárias, uma vez que dispõe de soluções tecnológicas que geram confiança e uma experiência de cliente segura e harmoniosa.

O VideoID é um sistema de reconhecimento facial biométrico que recorre à Inteligência Artificial e ao machine learning para registar e identificar os padrões únicos do rosto de cada pessoa. A isso pode acrescentar-se a camada de biometria comportamental disponibilizada pelo SmileID, um sistema que permite validar uma transação ou autenticar uma conta bancária através de um sorriso.

As duas soluções baseiam-se na captação de imagens em movimento, uma metodologia que não apenas é mais segura do que por exemplo uma selfie, como também é a única tecnologia de reconhecimento facial biométrico compatível com o regulamento eIDAS.

Para além destas tecnologias, há ainda o assistente de conversação HelloID, que possibilita um processo de onboarding digital de novos clientes muito mais rápido e, graças ao seu elevado nível de personalização, contribui para aumentar a confiança do utilizador.

“A digitalização do setor financeiro já é uma realidade e, com a regulação que se implementou na União Europeia, as instituições têm a oportunidade de se abrir a um mercado de mais de 500 milhões de utilizadores com um único processo de onboarding,” comentou Iván Nabalón, CEO & Founder da Electronic IDentification. “A Electronic IDentification foi pioneira na criação de soluções de onboarding digital com identificação por vídeo e assinatura digital qualificada num processo de ponta a ponta. Tivemos a visão de homogeneizar este mercado único que é a Europa e, graças a isso, contamos atualmente com mais de 1.500 clientes em 45 países de todo o mundo.”

Para mais informações

Inês Barbosa

[email protected]

FONTEElectronic IDentification
Artigo anteriorMigrantes e refugiados: Universidade de Coimbra participa em projeto europeu que avaliou políticas regionais de integração
Próximo artigoKianda Gin chega a Portugal no ‘Lisbon Bar Show’
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".