we mum
A We Mum está a alargar a sua rede de serviços, de norte a sul do País

Mãe há só uma. Para a We Mum são todas únicas. Sobretudo se pensarmos no significado e na importância daquele momento mais delicado e, ao mesmo tempo, que permite construir o elo mais poderoso das relações humanas… Foi assim que a empreitada nasceu: inspirado nas “dores” de gravidez, pós-parto e maternidade da sua fundadora, Mónica Amaral. Engenheira física de profissão. Mãe, acima de tudo.

«Senti na pele as dificuldades de uma mulher que quer ser uma mãe presente, que quer continuar a construir uma carreira, que quer continuar a ter uma vida social, que quer continuar a alimentar um relacionamento e, também, que quer continuar a sentir-se mulher – realizada pessoalmente, e não apenas através da maternidade. Percebi o quão mais exigentes são a família, os amigos, a sociedade e a entidade patronal depois de sermos mães», fundamenta.

E é por isso que, à distância de uns cliques em www.wemum.pt, via WhatsApp, email ou telefone, a We Mum canaliza até casa, e por marcação, apoio de confiança por parte de profissionais de saúde (certificados e registados nas respetivas ordens corporativas) da área materno-infantil e obstetrícia, no período pós-parto ou qualquer outra fase da maternidade.

O serviço distingue-se por providenciar um acompanhamento próximo, personalizado e completamente adaptado às necessidades e especificidades de cada mãe, bebé e família. «Mais do que uma profissional de saúde, terão uma companheira de viagem (sempre a mesma ao longo do período contratado) que lhes vai permitir criar uma relação de confiança e assim expor as suas dúvidas», explica Mónica Amaral, salientando a vantagem da privacidade do serviço.

A proposta de valor da We Mum, contudo, não se fica por aqui. Afinal de contas, trata-se de um serviço que coloca a mulher, a mãe e o seu bem-estar em primeiro lugar.

«Disponibilizamos uma rede que permite a cada mãe sentir-se verdadeiramente apoiada nas diversas fases da maternidade (desde o puerpério, passando pela introdução à creche e o regresso ao trabalho, ou, até mais tarde, até o bebé fazer dois anos). A We Mum pretende dar força e poder à mulher, para que esta se sinta segura e confiante no seu novo papel – e no que de novo ele lhe traz», sublinha a mentora.

We Mum está em fase de crescimento, de norte a sul

Percebe-se facilmente que a We Mum é, para Mónica, o seu “segundo bebé”. O novo «projeto de vida» dá, desde dezembro último, os primeiros passos. Mas já pensa no futuro. Mais e menos imediato.

A rede instalada neste momento permite estender os serviços à Grande Lisboa, Setúbal, Montijo, Vila Franca de Xira, Coimbra e Porto. Mas a We Mum pretende chegar a todas as zonas do País, que não só as grandes cidades. E é por isso que está «à procura de enfermeiras da área de saúde materna de norte a sul de Portugal continental, com especial vocação para a atividade».

O projeto começou com três enfermeiras, mas rapidamente cresceu para 10, além de outras especialistas e profissionais generalistas na área da saúde materna e obstetrícia, fisioterapeutas e, também, uma médica obstetra.

A tendência é de crescimento gradual. Para dar resposta às especificidades da procura de mercado. E também para chegar onde o sistema nacional de saúde não consegue.

«Dependendo da zona do País onde se vive, os centros de saúde e os hospitais têm ou não resposta para as mães, mas nem sempre com a disponibilidade imediata que algumas situações exigem; nem sempre com o conhecimento e experiência na área da saúde materna, para poder dar resposta aos problemas, ou até saber identificar casos mais críticos, como uma eventual depressão pós-parto (tantas vezes negligenciada e confundida como uma situação de “pieguice”); nem sempre com a sensibilidade e a proximidade por parte dos profissionais de saúde, que trabalham nestes centros de saúde, em relação ao estado frágil e vulnerável de uma mulher no período pós-parto», contextualiza a fundadora da We Mum.

Apoio da We Mum pode ser transformado em… prenda

A resposta do mercado nestes primeiros três meses de atividade tem ido ao encontro do reconhecimento, necessidade e mais-valia do serviço, tanto por parte das clientes como de profissionais de saúde fora do contexto da empresa. «O melhor feedback é quando me expressam a pena da não existência deste serviço e da We Mum quando foram mães…», enfatiza Mónica Amaral.

Foi o próprio mercado, aliás, que conduziu Mónica Amaral à criação do que considera ser o «presente com maior impacto no dia-a-dia de uma mãe após o parto»: falamos da transformação em voucher-presente do apoio domiciliário profissional à maternidade.

E que tal uma boa noite de sono?…

«Há amigos e familiares das mães que oferecem o nosso serviço, inclusive no âmbito dos chamados “baby showers” ou “chá do bebé”», nota Mónica. A We Mum criou packs específicos, disponíveis no website da empresa, mas os vouchers podem ser, inclusivamente, personalizáveis. Duas horas é o limite mínimo, mas não existe um número máximo. Certo é que quanto mais horas forem contratadas mais barato é o valor-hora.

Planeamentos à parte, certo é que a maternidade não se compadece com formatos.

«Tudo é planeado ao longo de nove meses para culminar no dia do parto. Como se depois disso não houvesse mais nada… Ninguém nos diz que o “pior” vem no primeiro dia que chegamos a casa com o bebé nos braços, largadas, como se a partir daquele momento tivéssemos de perceber tudo sobre bebés, as suas necessidades, e toda a mistura de sentimentos, tanto de alegria, como tristeza, medo, ansiedade…», ressalva a empresária.

É precisamente por causa disso que, nem que seja para permitir a qualquer mãe uma noite inteira de sono, a We Mum abre o seu leque: acompanhamento próximo e personalizado, desenvolvido por profissionais de saúde materna; avaliação diária do bem-estar físico e da recuperação da mãe e do bebé; aconselhamento na amamentação ou aleitamento; esclarecimento de dúvidas especialistas das diferentes áreas; gestão e planeamento das primeiras visitas ao bebé; orientação nos cuidados de higiene e descanso; ajuda e aconselhamento no regresso ao trabalho; apoio na familiarização de irmãos mais velhos com o novo bebé; aconselhamento na criação de uma rotina familiar; disponibilização de um profissional de confiança para cuidar do bebé enquanto a mãe toma banho, descansa ou, simplesmente, tira algum tempo para si própria; e, também, ajuda nas tarefas leves da casa (preparar uma refeição leve, arrumar a roupa do bebé, pôr uma loiça ou uma roupa nas máquinas de lavar).

We Mum. Embracing Motherhood Together.

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Mónica Amaral

Fundadora da We Mum

[email protected]

967 343 331

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome