Exposição homenageia o explorador do passado de Matosinhos

“Memórias do Monte Castêlo” abre as portas na sexta-feira e assinala os cem anos do nascimento de Joaquim Neves dos Santos, responsável pelo grande impulso dado à investigação arqueológica no local onde se crê que estão os sinais do passado remoto da cidade.

0
211

Salvaguardadas as devidas distâncias, Joaquim Neves Santos foi uma espécie de Indiana Jones do passado de Matosinhos. A exposição que esta sexta-feira, 29 de março, vai ser inaugurada na Biblioteca Municipal Florbela Espanca assinala, pois, o primeiro centenário do nascimento do arqueólogo guifonense, ao qual se deve o impulso dado, nas décadas de 1950 e 1960, à investigação do Castro do Monte Castêlo (ou de Guifões), onde se encontram os vestígios da primeira povoação de Matosinhos, habitada desde antes do século V a.C. e até ao século V da nossa era.

Achado de Joaquim Neves dos Santos

Patente até 25 de maio, a exposição “Memórias do Monte Castêlo: 100 anos do nascimento de Joaquim Neves dos Santos” pretende divulgar este sítio arqueológico, a história da investigação arqueológica no local e, principalmente, o trabalho de investigação arqueológica realizado pelo explorador, responsável também pela primeira Carta Arqueológica do Concelho de Matosinhos e por um levantamento exaustivo dos vestígios arqueológicos existentes no concelho. Os registos e descrições por ele legadas constituem, hoje, o único acesso possível a alguns vestígios do passado de Matosinhos, entretanto desaparecidos.

Patentes estão ainda várias peças arqueológicas que ilustram a diversidade de objetos que marcaram a vida quotidiana das populações no castro de Matosinhos, da Idade do Ferro ao final do Império Romano, os quais permitem enquadrar a importância deste sítio arqueológico situado na margem esquerda do rio Leça para o estudo da história do concelho e de toda a Área Metropolitana do Porto.

O industrial apaixonado que deu à luz uma parte significativa do passado de Matosinhos

passado remoto de Matosinhos

Industrial de Guifões, Joaquim Neves dos Santos (1918 – 1979) aliou um grande gosto pelo passado e pela sua terra a um conhecimento exímio do território concelhio e da bibliografia até então publicada. Este facto permitiu-lhe desenvolver um trabalho arqueológico de grande alcance, que deu origem a diversos trabalhos publicados e a uma série de artigos e de comunicações apresentadas nos Colóquios Portuenses de Arqueologia. O acervo recolhido deveria ter dado origem ao “Museu Regional de Guifões”, mas diversas vicissitudes, entre as quais a sua morte em 1979, impediram a concretização do projeto.

A reter:
Local: Biblioteca Municipal Florbela Espanca, Rua de Alfredo Cunha 139, Matosinhos;
Horário: segunda a sexta, das 9h30 às 19h00; sábado, das 9h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h30;
Entrada livre;
Visitas guiadas: marcação prévia através do endereço [email protected]

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:
Jorge Marmelo
Assessor de Imprensa
Câmara Municipal de Matosinhos
Telefone: 229 390 900 (ext. 330061)
Telemóvel: 910 730 296
E-mail: [email protected]
Web: http://www.cm-matosinhos.pt

Leia também outros artigos sobre coisas para fazer, nos meses de março e abril, em Matosinhos:

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome