Se o Open Banking e as novidades que introduziu no setor financeiro já eram imprescindíveis antes da pandemia, no novo cenário em que vivemos, em que a tecnologia está no centro de todas as atividades, ganhou ainda mais importância. Por isso, com o objetivo de fomentar discussões que visam enriquecer esse ecossistema, o Open Banking Week reunirá alguns dos principais nomes do setor para debater as últimas tendências do sistema financeiro. O evento, que acontece de 1 a 5 de junho, será 100% online e gratuito.

A programação de mais de 40 horas trará temas de destaque como: ações do Banco Central pré e pós implantação do Open Banking no Brasil, como criar uma API de Open Banking novos modelos de plataformas, pagamentos instantâneos (PIX), tendências para cibersegurança e identidade digital, padrões de APIs, regulamentações de mercado, Banking as a Service (BaaS) e OpenX.

Open Banking Week lançará um olhar sobre as possibilidades e exigências do “novo” normal, no setor do retalho

Também serão abordados assuntos ligados diretamente ao contexto pós-pandemia como mudanças no retalho (varejo) e as oportunidades de transformação impulsionadas pelos meios de pagamentos, serviços financeiros e novos modelos de negócios.

O evento contará com mais de 50 palestrantes, com representantes de diversas instituições como: Banco Central do Brasil, TecBan, JL Rodrigues Consultores Associados, Stefanini, Banco do Brasil, Universidade Católica de Brasília, Transfeera, Sinqia, Stark Bank, Franq Openbank, Evlos4U, Talle, Mambu, IPMF Global, PJBank, Salt Edge, Globalweb Corp, Sensedia, ABBC, FDATA (Financial Data & Technology Association), QUANTO, Pay Ventures, Open Vector, InfoAction, ForgeRock, GR1D, Pires & Gonçalves Advogados Associados, Zoop, Omie, Tempest Cybersecurity, The Shift, Dock, GetNinjas, Payly, MAG Finanças, ABO2O, Instituto Startups, FAS Advogados, bxblue, Genial Investimentos, Shawee, Abfintechs.

O Open Banking é uma das principais iniciativas que contribui para a modernização do nosso sistema financeiro. Por isso, um evento como o Open Banking Week é fundamental para o compartilhamento de conhecimento e informações relevantes sobre o tema e para estimular a cooperação entre os principais players do setor. O momento atual impõe desafios, mas, ao mesmo tempo, abre inúmeras oportunidades para uma economia mais aberta, tecnológica e democrática”, afirma Rogerio Melfi, Especialista em Novas Plataformas da TecBan e palestrante do evento.

A Open Banking Week é uma iniciativa da comunidade Open Banking Brasil e conta com patrocinadores como TecBan, GR1D, Fintech School, Sinqia, Transfeera; além do apoio da Hackathon TecBan, smartcerts.co, Open Banking Radar, Shawee, TORQ, Abfintechs e ABO2O.

SERVIÇO

Open Banking Week

Data: de 1 a 5 de junho.

Horário: das 9h30 às 17h.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio da plataforma Sympla

Mais informações: openbankingweek.com

O que é Open Banking?

O conceito do Open Banking é simples, porém revolucionário. A proposta é que todas as instituições financeiras adotem uma camada de tecnologia padronizada para possibilitar a fácil portabilidade de dados. Dessa forma, outras empresas e serviços passam a ter acesso às informações bancárias do cliente, sempre com a autorização do mesmo, tendo como princípio que o usuário é o detentor dos dados e não as instituições.

No Brasil, atualmente, o controle das informações está centralizado em cada instituição, que cria internamente as soluções para o seu gerenciamento. A partir do compartilhamento de dados proposto pelo Open Banking, bancos, fintechs e outras iniciativas do setor terão mais facilidade para aprimorar, desenvolver e integrar novos produtos. A implementação do Open Banking no país está sendo regulamentada pelo Banco Central e seguirá um cronograma começando em 30 de novembro de 2020 e concluindo em outubro de 2021

Open Banking e o Brasil pós-covid

A pandemia do novo coronavírus está impulsionando mudanças sociais, comportamentais e económicas e o Open Banking trará uma grande contribuição para toda a sociedade. O compartilhamento padronizado de dados e serviços por instituições financeiras permitirá a entrada de mais fintechs no mercado e, consequentemente, a competitividade entre os players do setor aumentará. O crescimento da concorrência incentiva a inovação, a oferta de serviços de qualidade e a queda dos preços. Isso representa mais inclusão e empoderamento para o consumidor, que passa a poder escolher entre serviços mais inovadores e vantajosos.

O Open Banking facilitará o processo de restruturação pós-covid ao contribuir para a redução da burocracia e a ampliação da oferta de serviços. Empréstimo direto, menos juros e custos, mais agilidade e inclusão social farão a diferença para milhares de empresas e cidadãos que precisarão se reerguer.

Para mais infromações

Karina Martins – Sow Fan Marketing

[email protected] | Tel: (13) 99726-6113

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome