concertos de michael kiwanuka em lisboa e no porto

Em consequência da pandemia da COVID-19, que tem levado à manutenção de medidas restritivas em vários países, bem como de fortes limitações à circulação internacional, os concertos de Michael Kiwanuka em Lisboa e no Porto foram adiados para maio do próximo ano. As novas datas estão agora marcadas para os dias 24 de setembro no Campo Pequeno, em Lisboa, e 23 de setembro na Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota, no Porto.

Bilhetes adquiridos para os concertos de Michael Kiwanuka em Lisboa e no Porto são válidos para as novas datas

Deste modo, todos os bilhetes adquiridos para o evento serão válidos para as novas datas, sem necessidade de troca ou emissão de novo bilhete, bastando apresentá-los à entrada das salas. Quem não possa comparecer nas novas datas, poderá fazer o seu pedido de devolução no prazo de 60 dias úteis a partir de hoje, no local da compra.

Aguardamos com expectativa o regresso de Michael Kiwanuka para estes dois concertos com salas cheias, já que a data do Porto se encontrava já esgotada e a data de Lisboa estava também próxima de esgotar.

Um londrino com raízes no Uganda

michael kiwanuka em lisboa e no porto

Michael Kiwanuka nasceu em Muswell, Londres, no ano de 1987, depois de os pais terem fugido do Uganda, forçados pelo regime de Idi Amin. As primeiras paixões musicais foram suscitadas pelo rock, com Radiohead e Nirvana à cabeça. Quando é assim, criar uma banda de covers é quase sempre o passo seguinte na sintomatologia do jovem apaixonado e foi mesmo isso que Michael Kiwanuka fez, quando estudava jazz na Royal Academy Music e música pop na Universidade de Westminster. O seu talento começou a dar nas vistas e um dos primeiros a reparar nisso foi Paul Butler (The Bees), que o incentivou a gravar as primeiras canções. Pouco depois assinou com a editora Communion (Mumford & Sons) e editou os EPs “Tell Me a Tale” e “I’m Getting Ready”. Por esta altura, o nome de Michael Kiwanuka já estava no mapa dos melómanos – e a liderança no BBC Sound Of 2012 foi a materialização dessa crescente expectativa.

O primeiro disco chegaria em 2012, precisamente. “Home Again” foi um sucesso comercial e artístico, entrando para os tops e tendo sido nomeado para um Mercury Prize. Michael correu o mundo, mas em 2015 estava na altura de voltar ao estúdio. “Love & Hate” saiu em 2016, com o selo de qualidade da produção de Danger Mouse. Com este segundo registo, Michael Kiwanuka quis arriscar um pouco mais, experimentou, mas isso não afetou as vendas – pelo contrário, o disco assumiu a liderança do top de vendas em Inglaterra.

As influências de vozes como as de Van Morrison ou Curtis Mayfield são óbvias, mas Michael Kiwanuka tem conseguido desenvolver uma linguagem muito própria, numa mistura audaciosa de folk, indie rock e r&b. Em 2019, editou mais um single de sucesso: “Money”, com Tom Misch. O seu terceiro álbum, homónimo, de novo produzido por Danger Mouse, chegou em outubro de 2019. Com a escrita mais apurada do que nunca, “Kiwanuka” é um daqueles clássicos instantâneos. Considerado pelo público e pela crítica como um dos melhores discos do ano de 2019, tendo recebido cotação máxima de publicações como o The Guardian, NME, Q ou o Daily Telegraph. O The Guardian destaca os vocais “calorosos e sinceros” do músico, num registo ao mesmo tempo “intemporal e contemporâneo”. Já o Daily Telegraph aponta para o caráter “hipnotizante e carregado” de um espírito que encontra alívio na música que faz.

Para mais informações

Maria João Serra – Música no Coração | [email protected]

FONTEMúsica no Coração
Artigo anteriorAMT Consulting chega a acordo para trazer UKG Dimensions para Portugal
Próximo artigoSistema planetário AU Microscopii: equipa internacional faz novas descobertas
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".