novo livro do papa francisco

«Vejo este momento como a hora da verdade. Faz-me recordar o que Jesus disse a Pedro: Satanás quer-te “joeirar como o trigo” (Lc 22, 31). Entrar em crise implica ser joeirado. É um momento em que são sacudidas tanto as nossas categorias como as nossas formas de pensar e são postas em questão as nossas prioridades e estilos de vida. Cruzamos um limiar, seja por nossa própria decisão, seja por necessidade, porque há crises como a que estamos a atravessar que não podemos evitar.» No novo livro do Papa Francisco, “Sonhemos Juntos”, intimista e encorajador, este, em conversa com Austen Ivereigh, aborda temas fraturantes da sociedade em que vivemos, tais como:

  • Os protestos antirracistas aquando da morte de George Floyd, o derrube das estátuas e as tentativas de «purificar» a história;
  • As origens da crise dos abusos na Igreja – e o paralelismo com o movimento #MeToo;
  • A mudança que, segundo o Papa, só pode vir das periferias da sociedade e de uma política centrada na fraternidade e na solidariedade;
  • A polarização na Igreja e na sociedade, e como as diferenças podem ser produtivas;
  • A necessidade de um rendimento básico universal e fortes restrições face a uma economia de mercado neoliberal para permitir o acesso ao trabalho, maior igualdade e a recuperação ecológica;
  • A necessidade de reabilitar a Política: o serviço ao bem comum;
  • As «Covids» pessoais de Francisco: períodos de crise na sua vida que o mudaram profundamente;
  • As origens da crise ambiental.

Leia também: “A Cidade de Vapor” de Carlos Ruiz Zafón chega às livrarias este mês

Sinopse do novo livro do Papa Francisco, “Sonhemos Juntos”

«Qual é o fruto maior de uma “COVID” pessoal? Eu diria que é a paciência condimentada com um sentido de humor são, que permite que aguentemos e criemos espaço para a mudança.»

Neste novo livro do Papa Francisco chega-nos uma mensagem de esperança. Vivemos um momento único, a crise da Covid expôs como nunca a crueldade e a iniquidade da nossa sociedade, mas também a resiliência, a generosidade e a criatividade de tantas pessoas.

Com uma franqueza sem precedentes, o Papa Francisco revela como três crises na sua vida o fizeram mudar para melhor. Perante a crise temos duas escolhas: voltar a um estado de pré-crise ou, com coragem, aprender, mudar e emergir melhores do que éramos antes. O Papa Francisco exorta-nos a não baixar os braços, a não permitir que a dor porque todos passámos tenha sido em vão. Atrevamo-nos a sonhar.

«O nosso maior poder não é o respeito que os outros nos têm, mas sim o serviço que podemos oferecer aos demais.»
«Temos de redesenhar a economia de tal modo que possa oferecer a cada pessoa o acesso a uma existência digna, e que ao mesmo tempo proteja e regenere a natureza

Sobre o autor

Jorge Mario Bergoglio nasceu em Buenos Aires, Argentina, a 17 de dezembro de 1936, filho de emigrantes italianos. Foi ordenado sacerdote na Companhia de Jesus (Jesuítas) em 1969, nomeado Provincial em 1973 e Reitor do Colégio Máximo, em Buenos Aires, em 1980. Foi ordenado Bispo em 1992, nomeado Arcebispo de Buenos Aires em 1998, e Cardeal em 2001. A 13 de março de 2013,
foi eleito Bispo de Roma, o 266.º Papa da Igreja Católica.

Austen Ivereigh é um escritor e jornalista britânico, e autor de dois livros do Papa Francisco, de caráter biográficos: The Great Reformer (O Grande Reformador, 2015) e Wounded Shepherd (2019). É membro do Campion Hall, na Universidade de Oxford.

Para mais informações

Cuca Moutinho – Editorial Planeta
[email protected] | 910 707 473