limpeza florestal

As Brigadas de Sapadores Florestais da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) procederam, no último ano, a várias ações de limpeza florestal para diminuir os riscos de incêndio na região. Em 2020, a área intervencionada correspondeu a cerca de 250 hectares de floresta do Tâmega e Sousa. Destes, 200 hectares estiveram a cargo da primeira Brigada, constituída em 2019, e 50 da segunda, formada em junho do ano passado, mas com trabalho efetivo no terreno a partir de meados de agosto, após um período de formação.

Os trabalhos, desenvolvidos em estreita articulação com os Gabinetes Técnicos Florestais dos 11 municípios que integram a CIM do Tâmega e Sousa e com o ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, decorreram em todos os municípios, principalmente nas áreas com maior vulnerabilidade aos incêndios, por corresponderem a manchas florestais ou pela sua proximidade a estas.

Limpeza florestal através de fogo controlado corresponde 26% da área intervencionada

Das ações de silvicultura preventiva destaca-se a intervenção com fogo controlado em cerca de 65 hectares da serra de Matos, em Baião, dando assim cumprimento ao Plano Nacional de Fogo Controlado definido para essa rede primária.

LEIA TAMBÉM: Investigadores da UC exploram o aproveitamento de resíduos florestais e agroalimentares no contexto de biorrefinaria

Esta ação de limpeza florestal foi executada pela primeira Brigada de Sapadores Florestais, que participou também no projeto-piloto MARQ – Mecanismo de Apoio à Realização de Queimadas, em parceria com a AGIF – Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, o ICNF e o Município de Cinfães, que procura sensibilizar e apoiar os pastores na realização de queimadas em áreas de silvopastorícia e contribuir para a redução da área ardida de forma desregulada durante o verão. O projeto decorreu na serra de Montemuro, em Cinfães, onde foram queimados, de forma controlada, cerca de 20 hectares de área de pastoreio.

De mencionar ainda a participação da primeira Brigada de Sapadores Florestais em 20 ações de combate aos incêndios e de rescaldo, nomeadamente nos concelhos de Baião, Cinfães, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira e Penafiel.

LEIA TAMBÉM: Consórcio desenvolve minicentral elétrica para cogeração de energia a partir de biomassa

No contexto da gestão da floresta e da limpeza florestal do Tâmega e Sousa é de referir a criação, em 2019, da primeira Brigada de Sapadores Florestais e, em junho do ano passado, da segunda Brigada, lideradas por um engenheiro florestal, num total de 30 operacionais, e a constituição do Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal do Tâmega e Sousa, também em 2019.

A área de atuação das duas Brigadas de Sapadores Florestais estende-se pelos 11 municípios que integram a CIM do Tâmega e Sousa, em consonância com os objetivos definidos, a nível municipal, nos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios e, a nível nacional, na Estratégia Nacional para as Florestas e no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais.

As Brigadas de Sapadores Florestais e o Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal do Tâmega e Sousa são cofinanciados pelo ICNF, através do Fundo Florestal Permanente.

LEIA TAMBÉM: Proteção contra incêndios rurais: Arganil testa sistema tecnológico

Para mais informações:

Ivone Barbosa – [email protected]