lesmas-do-mar
Lesmas-do-mar são um importante recurso: são usadas com frequência no desenvolvimento de novos fármacos

A biodiversidade de lesmas-do-mar (nudibrânquios) em Timor-Leste foi avaliada pela primeira vez numa expedição que contou, entre outros, com a colaboração de investigadores do MARE-Centro de Ciências Marinhas e Ambientais.

A investigação focou-se na costa norte de Timor-Leste entre Liquiçá, Dili e Manatutu, com uma curta incursão na ilha de Atauro. Os investigadores identificaram mais de 130 espécies diferentes de nudibrânquios, pertencentes a 55 géneros. Destes, cerca de 30 espécies são novas para a ciência – aguardam, agora, o processo de descrição formal que será posteriormente publicado em artigos científicos.

A diversidade encontrada em Timor-Leste é superior à de outras regiões como Maldivas ou Moçambique, e muito superior à encontrada nas Caraíbas (Cuba, Bermudas, Costa Rica). Compara-se, apenas, à das Filipinas ou da Indonésia, começa por explicar Marta Pola, investigadora da Universidade Autónoma de Madrid, que participou na expedição. “Tendo em conta que estivemos apenas 15 dias, e numa única franja da costa norte da ilha, temos muito ainda por explorar”, acrescenta Joaquim Reis, um dos investigadores do MARE.

Timor-Leste encontra-se no chamado “triângulo de coral”, reconhecido como o centro global da biodiversidade marinha e prioridade global para a conservação. É aqui que a maior diversidade de organismos marinhos do mundo é encontrada. No entanto, os estudos sobre a biodiversidade marinha em Timor-Leste ainda são praticamente inexistentes.

Uma enorme biodiversidade ainda por explorar, além das lesmas-do-mar…

Esta expedição a Timor, além das ‘novas’ lesmas-do-mar, revelou uma enorme diversidade de espécies numa região pouco explorada, com a qual temos, em Portugal, uma enorme proximidade cultural. “Aprofundar o conhecimento destas espécies traz inúmeras vantagens: revela recursos biológicos muito diversos e ainda por descobrir que podem vir a ter utilidade para o ser humano, por exemplo no desenvolvimento de novos fármacos. Esta recolha de informação permite-nos ainda detalhar e tomar decisões estratégicas como a criação de zonas protegidas ou de parques nacionais, à semelhança do que se faz na vizinha Indonésia, com potenciais benefícios também para o turismo e desenvolvimento do país”, acrescenta o investigador.

Os resultados da expedição demonstram a relevância de Timor-Leste para a biodiversidade marinha e reforçam a importância de priorizar a sua conservação. Revela também a urgência de se proceder a estudos mais generalizados sobre a biodiversidade no país, uma vez que o conhecimento do património natural da região é essencial para delinear estratégias de conservação eficazes.

Para Ivan Loria Shelley e Kate Barker, proprietários da Dreamers Dive Academy Timor Lda, a operadora local que acompanhou a expedição, “foi um enorme privilégio participar nesta expedição. A investigação científica e a conservação são extremamente interessantes, não só para nós, como para as organizações e instituições de ensino locais, como a Universidade Nacional de Timor. Infelizmente, o país apresenta alguns desafios a nível logístico, a par de uma burocracia que não facilita os processos, desafios que surgem por se tratar de uma nação jovem, mas que são superados precisamente com este tipo de colaborações entre operadores locais, instituições de ensino e autoridades”.

Para Ivan Loria, para além de uma oportunidade única para explorar e enriquecer conhecimento sobre a biodiversidade local, projetos como este colocam Timor-Leste no mapa, atraindo um tipo de turismo que oferece uma alternativa económica muito necessária no país.

“Estou muito orgulhoso por ter participado nesta expedição. Fico feliz por saber que o mundo pode assistir à vida maravilhosa que cá temos e por podermos ensinar aos timorenses a importância de proteger os nossos recifes”, continua Luis Melky Berehuno, primeiro instrutor de mergulho timorense.

“Espero que este tipo de expedições continue e que no futuro possam ser construídas melhores parcerias entre universidades internacionais e locais, contando com a colaboração das nossas autoridades para ampliar o conhecimento dos nossos ecossistemas marinhos e educar a juventude timorense“, acrescenta Jake Lasi, Dive-master de Mergulho Local.

Para Joaquim Reis e Marta Pola, não há dúvidas:Se com apenas 15 dias no terreno voltamos com estes resultados, imagine-se o que faríamos com mais. Aguardamos, com expectativa, apoios que nos permitam regressar e expandir o âmbito, tanto a nível geográfico como de organismos e habitats.

O que são nudibrânquios?

Moluscos sem concha exclusivamente marinhos, são vulgarmente conhecidos por “lesmas-do-mar”. É um grupo muito diverso, conta com aproximadamente 4.000 espécies descritas, e muitas mais por descrever. Inofensivos para os seres humanos, muitas contêm compostos químicos, que usam para se defender de predadores.

Estes mesmos químicos levam a que sejam alvo frequente da indústria farmacêutica, uma vez que são uma fonte potencial para o desenvolvimento de novos fármacos. Apresentam, frequentemente padrões de cores vivas chamativos, pelo que são muito apreciados por fotógrafos subaquáticos.

Dos exemplares identificados de lesmas-do-mar destacam-se pela sua abundância espécies da familia Phyllidiidae (Phyllidia elegans, Phyllidia ocellata, Phyllidia picta, Phyllidiella nigra, Phyllidiella pustulosa, Phyllidiopsis annae, Reticulidia fungia), da familia Myrrhinidae (como Phyllodesmium briareum e Phyllodesmium longicirrum) e da família Nembrothinae (Nembrotha kubaryana, N. chamberlaini, N. lineolata, N. yonowae, Tambja affinis, etc.)

Sobre a expedição

A expedição deve a duração de 15 dias e focou-se na costa norte de Timor-Leste entre Liquiçá, Dili e Manatutu, com uma curta incursão na ilha de Atauro. Contou com a participação de investigadores do MARE – Centro de Ciências Marinhas e Ambientais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e da Universidade Autónoma de Madrid, e contou também com a colaboração da Universidade de Timor-Leste, do Instituto Português de Malacologia, da Universidade de Cádiz e da Dreamers Dive Academy, um centro de mergulho e investigação em Timor-Leste.

Sobre o MARE:

O MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente – é um centro de investigação científica, desenvolvimento tecnológico e inovação com competências para o estudo de todos os ecossistemas aquáticos, na vertente continental e no mar. Promove o uso sustentável de recursos e a literacia do oceano disseminando o conhecimento científico e apoiando políticas de desenvolvimento sustentável. Criado em 2015, integra 7 Unidades Regionais de Investigação associadas às seguintes instituições: Universidade de Coimbra (MARE-UCoimbra), Politécnico de Leiria (MARE-Politécnico de Leiria), Universidade de Lisboa (MARE-ULisboa), Universidade Nova de Lisboa (MARE-NOVA), ISPA – Instituto Universitário (MARE-ISPA), Universidade de Évora (MARE-UÉvora) e ARDITI (MARE-Madeira).

Gabinete de Imprensa:

Rita Jordão

MultiCom

[email protected]

FONTEMARE-Centro de Ciências Marinhas e Ambientais
Artigo anteriorDiagnóstico precoce da diabetes: estudo internacional desenvolve equações preditivas que podem ajudar ainda mais
Próximo artigoPagamentos internacionais: Payhawk lança funcionalidade para mais de cinquenta moedas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome