Início Covid-19 Coronavírus em Castro Marim: comunicados da Câmara Municipal

Coronavírus em Castro Marim: comunicados da Câmara Municipal

Comunicados da Câmara Municipal de Castro Marim relacionados com o surto de Covid-19, com o combate e prevenção da disseminação do vírus, dispostos por ordem cronológica.

coronavírus castro marim
- Publicidade -

Em virtude da pandemia do COVID-19, e antecipando a eventualidade de surgirem casos de Coronavírus em Castro Marim, o executivo da Câmara Municipal reuniu-se com detentores cargos de chefia e o delegado de saúde local, para articular as melhores medidas de contingência.

As medidas que visam minimizar os riscos de disseminação do Coronavírus em Castro Marim afetam eventos e serviços [10 de março]

É decisão deste executivo manifestar a confiança e seguir as orientações da Direção Geral de Saúde (DGS), sendo esta a entidade técnica responsável e a autoridade máxima nacional na matéria, cabendo à autarquia definir qual a forma de atuação municipal mais adequada de forma a minimizar o risco de transmissão do coronavírus.

Assim, este Município não hesitará em tomar as medidas necessárias para fazer face a esta pandemia, concretizando já a partir de hoje algumas decisões relacionadas com eventos e serviços que não reúnem as condições necessárias ao asseguramento do cumprimento das recomendações de higiene e boas práticas da DGS, a saber:

  • Cancelamento do mercado mensal, calendarizado para este sábado em Castro Marim;
  • Cancelamento do mercado mensal do Azinhal;
  • Cancelamento do Mercadinho da Aldeia em Odeleite;
  • Encerramento da Piscina Municipal de Castro Marim;
  • Suspensão de eventos culturais, recreativos e desportivos;
  • Suspensão dos transportes municipais (sociais, culturais e desportivos) à exceção dos transportes realizados por motivos de consulta médica ou realização de exames de diagnóstico e do transporte Castro Marim Mais Perto;
  • Suspensão do programa de visitas culturais/excursões;

Foi igualmente decidido criar um serviço social e de saúde preventivo, de emergência e proximidade às populações idosas e mais isoladas, especialmente das freguesias de Odeleite e Azinhal.

Os equipamentos culturais e os monumentos mantêm-se ainda abertos e visitáveis, uma vez que a afluência turística se considera baixa, no entanto serão tomadas medidas específicas e protetoras, quer do visitante, quer dos profissionais que trabalham no atendimento ao público, que passam essencialmente pela manutenção da distância de segurança e pelo reforço da higienização.

A Câmara Municipal de Castro Marim já elaborou o seu Plano de Contingência pandémico, nos termos da lei, estando agora com o delegado de saúde local e que será aprovado na sexta-feira, dia 13 de março.

A Câmara Municipal de Castro Marim apela a toda a população que cumpra com rigor todas as indicações da Direção-Geral de Saúde.

Castro Marim cria Rede de Voluntários [20 de março]

O objetivo é ampliar a rede de apoio social no concelho, face à progressão da epidemiológica do COVID-19 que o país atravessa. Cientes de que esta pandemia pode vir a exigir muitos colaboradores, esta autarquia procura assim criar uma rede de voluntários que possam ajudar aqueles que mais precisarem, num ajuste às necessidades emergentes do plano de contingência e de intervenção municipal.

O apelo é dirigido à população ativa e pretende proteger aqueles que, por situação de risco ou de contágio, se encontrem limitados ou em situação de isolamento, sem rede social ou familiar de apoio. Trata-se de uma iniciativa que visa sentido de minimizar os efeitos do Coronavírus em Castro Marim, fundada no sentido solidário da população local.

Para se voluntariar basta entrar em contacto com o Município de Castro Marim, através do nº 281 510 754 ou do email [email protected].

O Município informa que será assegurado o cumprimento de todas as medidas de segurança recomendadas pela Direção-Geral de Saúde, quer em termos de equipamento, quer de higienização.

Desinfeção de contentores para prevenir a disseminação do coronavírus em Castro Marim [23 de março]

O Município de Castro Marim colocou hoje nas ruas um reforço da ação concertada de lavagem e desinfeção dos contentores de resíduos sólidos urbanos em todo o concelho e aguarda as orientações de hoje da Direção-Geral de Saúde relativa à limpeza e higienização de espaços públicos com desinfetante.

Esta desinfeção é feita com uma solução de hipoclorito de sódios, um constituinte da lixívia, lixívia esta que a população deve usar nas desinfeções que faz em suas casas, com uma diluição de 1/9.

Os trabalhos vão prosseguir ao longo dos próximos dias, pelo que apelamos à população que respeite as zonas de intervenção, não se aproximando das operações em curso, bem como para que posteriormente tenha atenção à aproximação dos seus animais de estimação destes locais.

Os colaboradores do Município de Castro Marim estão a trabalhar consecutivamente para assegurar a limpeza dos espaços públicos, a recolha de resíduos sólidos e agora esta desinfeção, pelo que apelamos ainda a que se respeite o esforço daqueles que não podem estar em isolamento nas suas casas e saem todos os dias para nos garanti algum equilíbrio e segurança nos dias que correm. Assim, evitem deixar lixo no chão, a maioria dos contentores pode ser aberto através de um pedal e, na eventualidade de não serem, podem recorrer a uma luva ou à posterior desinfeção das mãos.

Lembramos também as recomendações, no caso de ter na sua família pessoas infetadas (ou com essa suspeita):

  1. Colocar os resíduos em sacos de lixo resistentes e descartáveis, com enchimento até 2/3 (dois terços) da sua capacidade – não encher totalmente os sacos;
  2. Os sacos devidamente fechados devem ser colocados dentro de um segundo saco, devidamente fechado, e este deve ser depositado no contentor de lixo comum (resíduos indiferenciados).
  3. As máscaras, luvas e lenços devem ser sempre colocados no contentor do lixo comum.

Câmara Municipal apela à população para que o lixo seja colocado nos contentores [01 de Abril]

Pedimos a todos os cidadãos que colaborem com o serviço de gestão de resíduos. Os nossos colaboradores, que todos os dias asseguram a recolha de resíduos sólidos, têm-se deparado com a deposição dos sacos do lixo fora dos contentores, mesmo que estes ainda tenham capacidade.

Lembramos que a maioria dos contentores pode ser aberto através de um pedal e, na eventualidade de não serem, podem recorrer a uma luva ou à posterior desinfeção das mãos.

Os colaboradores do Município de Castro Marim estão a trabalhar consecutivamente para assegurar estes que são serviços essenciais, pelo que apelamos a que se respeite o esforço daqueles que não podem estar em isolamento nas suas casas para nos garantir algum equilíbrio e segurança nos dias que correm.

A dedicação destes colaboradores tem sido exímia, merecem todo o nosso respeito e atenção, expõem-se diariamente a um risco maior e nós devemos contribuir com tudo o que estiver ao nosso alcance, desde o nosso melhor comportamento cívico até à criação das condições de trabalho adequadas às circunstâncias”, sublinhou a vice-presidente da autarquia de Castro Marim, Filomena Sintra, adiantando que, neste sentido, a câmara municipal procedeu à aquisição de novos equipamentos e fardamentos, para que higienização dos mesmos se possa realizar nas melhores condições, dividiu os funcionários em equipas espelho e criou um espaço próprio para que possam tomar banho no final de cada turno, regressando às suas casas já sem as roupas de trabalho.

Numa fase em que as circunstâncias nos obrigam a mudar de hábitos, lembra-se que não podemos facilitar e devemos controlar o que nos é possível, no sentido de minimizar os fatores de contágio de coronavírus em Castro Marim. Este é um dos fatores que mais risco representa em questões de perigo para saúde pública.

Lembramos também as recomendações, no caso de ter na sua família pessoas infetadas (ou com essa suspeita):

  • Colocar os resíduos em sacos de lixo resistentes e descartáveis, com enchimento até 2/3 (dois terços) da sua capacidade – não encher totalmente os sacos;
  • Os sacos devidamente fechados devem ser colocados dentro de um segundo saco, devidamente fechado, e este deve ser depositado no contentor de lixo comum (resíduos indiferenciados).
  • As máscaras, luvas e lenços devem ser sempre colocados no contentor do lixo comum.

Castro Marim cria linha de apoio psicológico Covid-19 [2 de Abril]

A linha de telefone entra em funcionamento a partir da próxima segunda-feira, dia 6 de abril, e destina-se às pessoas da comunidade castromarinense que sintam a necessidade de ajuda especializada para gerir os sentimentos e emoções inerentes aos constrangimentos trazidos pela pandemia de coronavírus em Castro Marim.

Está em isolamento? Necessita de aconselhamento? Tem sentido ansiedade ou medo? A ajuda está à distância de uma chamada, através do nº 281 510 750, disponível de segunda a sexta-feira, entre as 9h00 e as 15h00. O apoio será gratuitamente prestado por 4 psicólogos e o objetivo passa por reduzir algum mal-estar provocado pelo isolamento, separação social e por outras dificuldades que se impuseram neste contexto pandémico.

O Município de Castro Marim já tem operacionalizada uma linha e serviço de apoio social “Castro Marim ainda + Solidário”, destinada a apoiar a população residente na área geográfica do concelho, com mais de 65 anos, doentes crónicos ou em situação de isolamento sem rede social ou familiar de apoio, nas suas compras de bens alimentares, produtos de higiene e medicamentos.

“Temos uma grande parte da população numa situação bastante vulnerável, uma população envelhecida, já fragilizada por outras morbilidades e que agora se vêm afastados dos seus familiares e amigos. Precisamos de lhes levar o máximo conforto possível e estes a criação destes apoios é fundamental”, declarou o médico e presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral.

Em Portugal, o novo coronavírus, segundo o balanço divulgado ontem pela Direção-Geral de Saúde, é responsável por 187 óbitos e tem 8251 casos de infeções confirmadas. No Município de Castro Marim registaram-se os primeiros dois casos na passada segunda-feira, que cumprem agora isolamento em casa, encontrando-se estáveis.

Município distribui gratuitamente máscaras comunitárias à população, para combater a propagação do coronavírus em Castro Marim [15 de abril]

O Município de Castro Marim começou hoje a disponibilizar máscaras comunitárias para proteção individual e da comunidade. Nesta primeira fase serão disponibilizadas na Biblioteca Municipal de Castro Marim e na Junta de Freguesia de Altura, restringindo-se a duas máscaras por núcleo familiar. Nas freguesias do interior será feita uma distribuição mais local.

Estão agora disponíveis cerca de 1000 máscaras, mas a Universidade do Tempo Livre de Castro Marim e outros voluntários, sob orientação do presidente da Subcomissão da Proteção Civil e delegado de saúde, Dr. Mariano Ayala, estão a trabalhar na confeção de mais unidades.

Francisco Amaral, presidente da autarquia castromarinense, lamenta que só agora a DGS (Direção Geral de Saúde) aconselhe o seu uso. “Já poderíamos ter tomado esta iniciativa há muito tempo“. Sob a orientação do delegado de saúde local, a autarquia está também a divulgar as recomendações de utilização e de higienização das máscaras comunitárias.

A experiência da pandemia está a ensinar-nos a todos algumas coisas: uma delas é que não existe nenhum método para parar completamente a transmissão do vírus. Podemos sim diminuí-la de modo a evitar que os serviços de saúde e a vida económica colapsem.

Neste contexto o uso de máscaras tem vindo a receber o apoio crescente de organizações científicas internacionais tais como o Centro Europeu de Controlo da Doença (ECDC) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) e mesmo a DGS passou a recomendar o uso de máscaras comunitárias.

Esta é mais uma medida do plano abrangente que a Câmara Municipalestá a pôr em prática no âmbito do combate à crise sanitária e social causada pelo coronavírus em Castro Marim. Segundo o delegado de saúde, as máscaras caseiras protegem mais as outras pessoas do que a quem as usa, por isso esta é uma iniciativa duplamente solidária, da parte de quem as produz e da parte de quem as usa, numa lógica de “eu protejo-te a ti, tu proteges-me a mim”.

Pedimos a todos que, quando saírem de casa para lugares com maior afluência, como a farmácia ou o supermercado, usem máscara, mesmo que seja caseira” afirmou o delegado de saúde.

Assim, as costureiras que outrora estariam a alinhavar os trajes dos Dias Medievais em Castro Marim estão agora a produzir estas máscaras, além de estarem também a trabalhar na confeção de outros equipamentos de proteção para as pernas, cabeça, ombros e região cervical para os profissionais de saúde da região que estão na linha da frente, com material, do tipo TNT, fornecido pelos mesmos. Neste âmbito já foram confecionadas 100 cogulas (equipamento de proteção para cabeça e ombros).

Castro Marim oferece viseiras e EPI’s a profissionais de saúde e outras instituições locais

O Município de Castro Marim está a distribuir centenas de viseiras e equipamentos de proteção individual (EPI’s) pelos bombeiros voluntários, forças de segurança, centros de saúde, serviços de apoio domiciliário da Unidade de Cuidados Continuados do Azinhal e da Cruz Vermelha em Altura e Mercado de Altura.

A realçar que algumas das viseiras foram doados pelo Movimento Maker – Portugal, uma iniciativa voluntária com mais de 8000 membros e que produz as viseiras em impressoras 3D. Agradece o Município as largas de dezenas oferecidas por este movimento, cujo objetivo é essencialmente “juntar pessoas com vontade de partilhar conhecimento através de um espírito de entre ajuda”. Foi assim que a iniciativa se organizou agora, no atual contexto pandémico, para a produção de viseiras. Para fazer as viseiras é preciso apenas uma folha grossa de acetato transparente, um elástico, um furador de papel e filamento de impressão para a impressora 3D, por isso todos os que reunirem as condições podem aderir ao Movimento. Este é um movimento solidário nacional, que se estendeu agora a Castro Marim, onde, estimuladas pela Câmara Municipal, também têm surgido iniciativas solidárias como a confeção de máscaras comunitárias e a criação da rede de voluntários.

A autarquia castromarinense adquiriu ainda equipamentos especiais, higienizáveis, de alta proteção, para os profissionais de limpeza urbana, que todos os dias estão na linha da frente no combate ao Coronavírus em Castro Marim, e são também disponibilizadas viseiras a todos os colaboradores da rede de voluntários.

Município alarga fornecimento de refeições a alunos de famílias atingidas pela crise, para minimizar o impacto social do Coronavírus em Castro Marim [20 de abril]

A Câmara Municipal de Castro Marim, em articulação com o Agrupamento de Escolas, vai começar a distribuir refeições escolares aos alunos que têm apoio social dos escalões A e B, a partir desta quarta-feira, 23 de abril, e vai também abranger os alunos cujos agregados familiares se depararam agora com o impacto económico negativo provocado pela pandemia.

Em virtude desta medida poderão vir a abranger-se centenas de novos alunos, devendo as famílias que se encontrem em situação de carência económica equiparada ao escalão A e B, contactar o Gabinete de Ação Social do Município através do nº 281 510 742.

O Agrupamento de Escolas do Concelho reabre o refeitório da sede para a confeção e a autarquia responsabiliza-se pela distribuição das refeições, assegurando o transporte das mesmas a todos os alunos que residirem fora dos aglomerados de Altura e Castro Marim, onde haverá pontos de recolha, e suportando o valor que excede o apoio do Estado em relação ao Escalão B.

Assim, a ementa, da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, será semanal e supervisionada por uma nutricionista ao serviço do Município em articulação com o delegado de saúde. Numa primeira fase, a Câmara Municipal de Castro Marim conta, para a distribuição porta a porta, com os funcionários municipais, que veem as suas funções temporariamente reajustadas à missão. No entanto, se esta possibilidade se esgotar, a autarquia irá recorrer à bolsa de voluntariado que tem sido desenvolvida para apoiar quem mais precisa em virtude da pandemia covid-19.

Recordamos que as refeições devem ser previamente requisitadas, para que todos os recursos sejam geridos da forma mais eficiente possível. Para esse efeito, os encarregados de educação deverão contactar a escola através dos números 281 531 708 ou 963 902 357.

Pondera ainda este Município adaptar as suas cantinas e alargar o regime de cantinas sociais à generalidade das famílias com acrescida dificuldade económica.

Castro Marim atribuiu bolsas de estudo a alunos do concelho [22 de abril]

Numa altura em que muitas famílias se deparam com o impacto económico negativo resultante das medidas tomadas no combate ao novo coronavírus, os apoios sociais do município de Castro Marim estão a num processo de reajuste face a esta nova realidade.

Assim, apesar da instabilidade gerada em torno deste ano letivo, numa primeira fase com a interrupção das aulas, a câmara municipal manteve o pagamento das bolsas de estudo atribuídas aos alunos do ensino secundário (100€/mês) e superior (250€/mês).

No total, é um investimento de cerca de 32.000 euros com os 32 alunos bolseiros do ensino secundário e de cerca de 47.000 euros com os 21 alunos bolseiros do ensino superior.

Este é um investimento que a autarquia tem realizado para apoiar as famílias com maiores dificuldades e que promove, ao mesmo tempo, o aproveitamento escolar, uma vez que é uma das condições da atribuição das bolsas. Mas este ano, no contexto pandémico que o país atravessa, está o município disponível para avaliar situações excecionais ou de emergência, que careçam agora de apoios sociais que até à data não necessitavam, contrariando na medida do possível os efeitos do Coronavírus em Castro Marim e nas suas familias.

Numa permanente adaptação às situações sociais, educacionais e económicas derivadas da pandemia, o município de Castro Marim alargou recentemente o fornecimento de refeições a alunos de famílias atingidas pela crise económica e assegura ainda o transporte das mesmas a todos os alunos que residirem fora dos aglomerados de Altura e Castro Marim, onde haverá pontos de recolha, além de suportar o valor que excede o apoio do Estado em relação ao Escalão B.

Lembramos que as famílias que se encontrem em situação de carência económica equiparada ao escalão A e B, contactar o Gabinete de Ação Social do Município através do número 281 510 742.

Trabalhadores agrícolas em risco por decisão da Autoridade Regional de Saúde Pública [25 de abril]

O Presidente do Município de Castro Marim, Francisco Amaral, na salvaguarda da sua população, manifesta a mais profunda discordância pela posição tomada pela Delegada de Saúde Regional, Dra. Ana Guerreiro, ao desautorizar a decisão do Delegado de Saúde Local, Dr. Mariano Ayala, de não permitir que 38 trabalhadores tailandeses ficassem alojados em 9 quartos minúsculos na Azeda (Castro Marim), onde não seriam observadas as mínimas condições higiénico-sanitárias normais, e muito menos em situação de pandemia instalada, para albergá-los.

Aconteceu um episódio idêntico há algumas semanas, em Monte Francisco (Castro Marim), tendo o Delegado de Saúde Local e Comandante da GNR de Castro Marim, antes da vinda dos 16 trabalhadores asiáticos, visitado as instalações e concluído que não teriam as condições mínimas para o seu alojamento. A empresa responsável acabou por alojá-los noutro concelho, com condições habitacionais mais dignas. Mais tarde acabou por se revelar que os trabalhadores desencadearam um foco de Covid-19 entre eles.

Portanto, o Presidente da Câmara de Castro Marim lamenta que, desta vez, o Delegado de Saúde Local, técnico que considera muito competente, responsável e que respeita à risca as indicações da Direção-Geral de Saúde no sentido do confinamento e do distanciamento social, tenha sido desautorizado pela sua superior hierárquica regional. Por não existirem as condições higiénico-sanitárias mínimas e de combate ao Covid-19 naquelas instalações e, neste momento, existirem no Algarve instalações condignas, dada a crise hoteleira, para receberem aqueles trabalhadores, este Município responsabiliza a autoridade sanitária regional pelo que venha a acontecer com aqueles trabalhadores e com a população local e apela ao coordenador regional de combate ao Covid-19 uma posição inequívoca e defensora da saúde dos munícipes de Castro Marim e dos algarvios.

José Apolinário reuniu com Subcomissão da Proteção Civil de Castro Marim [29 de abril]

O secretário de Estado José Apolinário, no âmbito das suas novas funções como coordenador regional do combate à Covid-19 no Algarve, reuniu hoje com a Subcomissão da Proteção Civil de Castro Marim. A visita passou por fazer um ponto de situação regional, articulando a coordenação horizontal das várias entidades, organismos e serviços no combate à pandemia.

O presidente do Município de Castro Marim, Francisco Amaral, realçou a importância destas visitas, numa relação de proximidade para com as autarquias e as populações que traduz uma manifesta preocupação em conhecer o terreno e a aplicabilidade das medidas tomadas. Assim, foram realçadas algumas iniciativas da autarquia castromarinense, tais como a proteção da população do interior do concelho, a esmagadora maioria pertencente ao grupo de risco, através da interrupção dos transportes sociais que eram realizados e, simultaneamente, a disponibilização de um conjunto de serviços de apoio ao domicílio, que passam pela entrega de medicamentos, compras e receitas médicas.

A iniciativa da sociedade civil na confeção das máscaras comunitárias foi também sublinhada pelo presidente da autarquia, realçando o papel preponderante do delegado de saúde local, Dr. Mariano Ayala, que articulou todo o processo, “o mesmo sentido de compromisso e responsabilidade que manifestou quando nos opusemos à estadia de trabalhadores agrícolas asiáticos numa instalação que não oferecia as mínimas condições higiénico-sanitárias e que foram acolhidos noutro concelho, onde vieram a ficar doentes por covid-19”.

É preciso olhar para o futuro, sendo que isso se coloca dentro de 1 ou 2 meses. O Algarve vai ser a região com maior dificuldade de alavancagem e precisa de medidas de descriminação positiva do Governo”, sublinhou a vice-presidente Filomena Sintra, acrescentando que os municípios vão sofrer um grande impacto na sua estrutura financeira, nomeadamente por se verem impossibilitados de arrecadarem a verba estimada de IMT e IVA, para além de serem também os municípios a entrarem no apoio social às famílias. “Vai ser uma balança difícil de equilibrar, com a agravante do Algarve ser uma região sem o mesmo nível de apoios comunitários, fala-se de uma reafectação dessas verbas mas mais uma vez o Algarve, porque não tem a mesma verba proporcional, tem que ter um tratamento diferenciado para que não se aumentem as assimetrias e as dificuldades”, concluiu.

A visita do secretário de Estado terminou no Lar de Altura, propriedade da Associação Cegonha Branca cuja obra foi recentemente concluída, que está definida agora como zona de apoio à população e aos profissionais que possam precisar de isolamento.

Para mais informações:

Ana Lucia Gonçalves – Câmara Municipal de Castro Marim

Tel: 281510740 | E-mail: [email protected]

- Publicidade -

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome