cartaz do Super Bock em Stock 2021

O Super Bock em Stock volta a encher a Avenida da Liberdade em Lisboa e artérias adjacentes, com alguma da melhor música do momento. A ordem é caminhar pelas ruas e, de sala em sala, descobrir Música nova, desfrutando e descobrindo também os recantos da cidade que, no dia a dia, nos passam desapercebidos. A paisagem urbana da capital volta, assim, a entrelaçar-se com as melhores propostas da vanguarda da música, do cartaz do Super Bock em Stock 2021, num ambiente único. 

Mais 3 nomes confirmados no cartaz do Super Bock em Stock

Depois das primeiras confirmações, há mais três concertos que prometem enriquecer (e muito) o cartaz deste ano: Paulo Pedro Gonçalves e Rui Pregal da Cunha , Charlotte OC e Primeira Dama.

O bilhete único válido para os dois dias do Festival encontra-se já à venda nos locais habituais, pelo preço de 40€ até 15 de outubro, passando para 45€ a partir do dia 16 de outubro e para 50€ nos dias do Festival.O Super Bock em Stock volta a encher a Avenida da Liberdade em Lisboa e artérias adjacentes, com alguma da melhor música do momento. A ordem é caminhar pelas ruas e, de sala em sala, descobrir Música nova, desfrutando e descobrindo também os recantos da cidade que, no dia a dia, nos passam desapercebidos. A paisagem urbana da capital volta, assim, a entrelaçar-se com as melhores propostas da vanguarda da música, num ambiente único. 

Faça um voo rasante a todos os nomes do cartaz do Super Bock em Stock 2021

primeira dama & sua banda

Primeira Dama & Sua Banda

Primeira Dama é Manel Lourenço, uma das caras da editora Xita Records, epicentro de alguma da melhor música que se vai fazendo em Lisboa. Com apenas 23 anos, já tem dois registos obrigatórios para quem quer conhecer o que de melhor se tem feito nos últimos anos na nossa música alternativa: “Histórias por Contar” e “Primeira Dama”.

Essas primeiras histórias, contadas em 2016, mostravam um artista mais sombrio do que aquele que viria a encontrar a luminosidade e a confiança em “Primeira Dama”, um registo que revelou o esplendor da sua escrita de canções. “Superstar Desilusão” traz agora uma outra faceta. Desta feita, Primeira Dama explora um indie rock à Julian Casablancas e um lado mais garageiro, à maneira das Pega Monstro ou dos Veenho, artistas com quem cresceu.

Após três anos de intenso trabalho, com músicos como Martim Brito (bateria), António Queiroz (baixo), João Raposo (guitarra e sintetizador) e Inês Matos (guitarra-solo), “Superstar Desilusão” surge como um disco visceral e exploratório, sempre com um apurado sentido pop, evidenciando nas canções o crescimento de um artista que sabe rir-se de si próprio, sempre com o dedo na consciência. Estas novas canções podem ser ouvidas já em novembro, no regresso tão aguardado do Super Bock em Stock.

Charlotte oc no cartaz do super bock em stock 2021

Charlotte OC representará as terras de sua majestade no cartaz do Super Bock em Stock 2021

Quando falamos da melhor pop alternativa a chegar de terras de sua Majestade, temos de falar em Charlotte OC. Singles como “Satellite” e “Boyfriend” rapidamente chamaram a atenção de publicações como a Paper Magazine, a Nylon, a Billboard, a Clash e também de rádios como a BBC Radio 1 e a BBC Radio 2. Depois de uma série de registos em que desenvolveu a sua própria linguagem, conquistando o público e a crítica, o EP “Oh The Agony, Oh The Ecstasy” (2020) sedimentou definitivamente a fama de Charlotte OC como uma das mais promissoras escritoras de canções da segunda década deste século, tanto no Reino Unido como além-fronteiras.

Nomes como Leonard Cohen, Lou Reed, Joni Mitchell, Aretha Franklin, Billie Holiday e Marvin Gaye são alguns dos nomes que aparecem como influências mais óbvias para uma música que é cada vez mais distinta, num caldeirão de referências que vão deste a folk mais tradicional até à eletrónica mais arrojada. Este ano de 2021 marca o regresso de Charlotte aos registos de longa duração com o lançamento de “Here Comes Trouble”. Singles como “Bad Bitch”, “Forest” ou “Bad News” confirmam que Charlotte OC é uma das principais vozes do nosso tempo, e o público português terá a oportunidade de perceber que esta é uma daquelas que cresce ainda mais ao vivo, graças ao cartaz do Super Bock em Stock 2021.

SBSTOCK 2021

Paulo Pedro Gonçalves e Rui Pregal da Cunha

Paulo Pedro Gonçalves e Rui Pregal da Cunha são dois nomes com uma importante e longa história na música portuguesa. Paulo Pedro Gonçalves esteve ligado à banda pioneira Corpo Diplomático e, mais tarde, há precisamente 40 anos, com Rui Pregal da Cunha, é também responsável pelos Heróis do Mar, e os LX-90.

Ou seja, ambos são precursores de algum do melhor rock feito em Portugal. Agora, estes dois cúmplices propõem revisitar, no Super Bock em Stock, algumas dessas canções que nos marcaram a todos, e ainda apresentar um vigor artístico que também se alimenta do presente, num momento especial para ser vivido no Festival.

E é nesta sinergia híbrida que viverá este Live DJ Set. Num primeiro momento, há um convite à dança em modo DJ Set, com canções que vão desde o dancehall ao dub, da Jamaica a África, do rock ao pop, do punk de Londres ao rock português. Num segundo momento, esse convite à dança assume os Heróis do Mar no papel principal e transforma as canções emblemáticas da banda em momentos inesquecíveis para serem vividos em pleno 2021. E tudo isto acontece em formato power duo – para ouvir, ver, sentir e dançar!, no regresso do Super Bock em Stock. 

Paulo Pedro Gonçalves 
Foi um dos fundadores, juntamente com Pedro Ayres Magalhães, dos Faíscas, a primeira banda portuguesa de punk rock formada em 1977, onde desempenhava as funções de vocalista e guitarrista. Em 1979 integra os Corpo Diplomático, banda pioneira do movimento new wave em Portugal. Com a explosão do boom do rock português, ajuda a formar em 1981 os Heróis do Mar, banda de grande sucesso que atinge com a canção “Amor”, o número 1 de vendas do top nacional. Em conjunto com Rui Pregal da Cunha, fundou os LX-90, editando o álbum “Uma Revolução por Minuto”. Posteriormente, emigraram para Inglaterra e alteraram o nome do grupo para Kick Out The Jams. Lançam em 1994 o álbum “Santo António em Abril” cantado em inglês. Ainda lançou dois discos, em 1998 e 2012, com o projeto Ovelha Negra. Mais recentemente, lançou o projeto Scarecrow Paulo, disco chamado “Shank”, e acaba de gravar novo trabalho com o seu projeto CABRA, música alternativa baseada em beats de Angola, Cabo Verde e Moçambique. 
 

Rui Pregal da Cunha 
Nasceu em Macau, no dia 21 de fevereiro de 1963, contudo veio viver para Lisboa aos quatro anos de idade. Este músico foi vocalista dos Heróis do Mar, grupo de grande sucesso dos anos 80, banda que formou juntamente com Pedro Ayres de Magalhães, Carlos Maria Trindade e Paulo Pedro Gonçalves. Fundou com Paulo Pedro Gonçalves os LX-90, tendo editado o álbum “Uma Revolução por Minuto”. Depois, emigraram ambos para Inglaterra e mudaram o nome para Kikck Out The Jams. Após uma grande ausência, Rui Pregal da Cunha cantou com a banda Golpes, o tema “Vá Lá Senhora”, regressando aos concertos ao vivo como seu convidado especial. Um ano depois, em 2011, recriou a canção “Sol da Caparica” com os Nouvelle Vague e agradou aos mais pequenos no disco infantil “Leopoldina” com o tema “Indo eu a Caminho de Viseu”. Participou no disco especial “Razão de Ser”, em 2013, do grupo Ala dos Namorados, onde interpretou em dueto o tema “Fim do Mundo”. O grande público recorda-o pelas suas interpretações dos grandes êxitos dos Heróis do Mar, como “Saudade”, “Fado”, “Amor e Paixão”, entre outros.

Priya Ragu no cartaz do super bock em stock 2021

Priya Ragu, o R&B como nunca antes se ouviu

Alguém com as qualidades e as particularidades de Priya Ragu não aparece todos os dias. A sua experiência de vida é traduzida numa música genuína e distinta, numa visão criativa realmente global.

Ela pode ser descrita como alguém que faz R&B, mas este é um R&B como nunca se tinha ouvido antes: é vagamente familiar ao mesmo tempo que parece irreconhecível e incomparável com qualquer outro. As suas raízes no Sri Lanka influenciam o som que agora apresenta ao mundo, trazendo para as suas canções ecos das danças que brotam nas ruas sul-asiáticas ou dos mantras e cânticos religiosos da mesma cultura.

Depois de vários singles de sucesso, como “Good Love 2.0”, “Chicken Lemon Rice” e “Forgot About”, chegou o momento de editar a sua mixtape de estreia. “damnshestamil” mostra uma artista cada vez mais dona da sua própria linguagem. E o desejo de fazer diferente nunca perturba a vocação pop de Priya Ragu, capaz de canções como “Lockdown”, um hino ao encontro, à proximidade, ao contacto que tanto se deseja depois de vários meses de afastamento – ou seja, um tema ideal para se fazer ouvir em novembro, no regresso do Super Bock em Stock.

Concerto de Tomás wallenstein em Lisboa

Tomás Wallenstein

Filho de uma cantora lírica e de um contrabaixista, Tomás Wallenstein revelou também o seu talento na música. Compositor e letrista dos Capitão Fausto, uma das bandas mais relevantes do atual panorama musical português, desde muito cedo que Tomás revelou uma curiosidade para com os mais variados instrumentos, tocando piano, violino, baixo, guitarra e até mesmo bateria.

Apesar de ter estudado Arquitetura, cedo percebeu que a sua verdadeira vocação estaria em cima dos palcos. Além da sua carreira com os Capitão Fausto e das inúmeras colaborações, destaca-se também por ser um dos criadores da Cuca Monga, uma editora responsável pelo lançamento de artistas como GANSO, Luis Severo, Zarco, Reis da República ou Rapaz Ego.

Depois de se estrear numa data única no Lux, em setembro do ano passado, o músico e compositor apresenta agora um concerto a solo, ao piano. Num espírito exploratório ou até quase académico, o repertório sugerido é uma compilação de versões de outros autores, compositores ou poetas, que naquele instante se reunirão em cada sala. Ao poder fazer das suas vozes a sua própria, a intenção é aprender com o gesto, mas também insistir na partilha das ideias e das canções que, depois de nascerem de um só criador, passam a pertencer a toda a gente e, agora, ao cartaz do Super Bock em Stock 2021.

Lava la rue no super bock em stock

Lava La Rue introduz um mundo de influências no cartaz do Super Bock em Stock 2021

Lava La Rue nasceu, cresceu e ainda se mantém em Ladbroke Grove, na região oeste de Londres, um lugar que é mais do que uma casa para a artista de 22 anos, é mesmo uma fonte de inspiração e um suporte para a sua música, para a sua carreira e para a pessoa que é hoje, como cantou no seu single de estreia, “Widdit”, editado em 2018: “City was a mother to me”.

Além do espírito da cidade em que vive, Lava La Rue também tem múltiplas influências musicais: punk, britpop, hip hop, jazz, trap e até uma eletrónica mais pesada que tanto ouviu na juventude, tudo serviu para a sua formação artística. No entanto, para Lava La Rue, a beleza está precisamente na indefinição das fronteiras entre os géneros que convoca para a sua música.

Lava La Rue nunca teve limites e temas proibidos na escrita das suas canções, tratando dos aspetos mais duros da sua educação e das enormes desigualdades sociais que sempre percebeu ao seu redor. O seu EP mais recente, “Butterfly”, gravado em L.A. e em Londres, contou com a produção de Isom Innis, Dan Holloway e Courage e é talvez o mais íntimo dos seus registos até ao momento. “GOYD (Girl Of Your Dreams)” é um desses temas mais novos que se vai poder ouvir em Lisboa, no próximo mês de novembro, no regresso do Super Bock em Stock.

Davide & Miguel

O encontro entre dois dos principais talentos da nova música portuguesa só poderia resultar num projeto tão entusiasmante como este. Segundo os próprios, a dupla David & Miguel (David Bruno e Mike El Nite) está para a música como o queijo e a marmelada estão para a culinária: uma delícia pouco ortodoxa.

Após o sucesso do tema “Interveniente Acidental”, os dois artistas voltaram a juntar esforços em “Palavras Cruzadas”, um disco de temas românticos, com muitas histórias de desencontros, amores, desamores, sofrimento e paixão à portuguesa… Este registo, totalmente produzido por David Bruno, conta com as vozes de Mike El Nite e do próprio David Bruno, com as guitarras do habitual Marco Duarte.

“Palavras Cruzadas” é um dos melhores discos nacionais deste ano de 2021, graças a canções como “Inatel”. E esta dupla de talento teria de passar pelo próximo Super Bock em Stock, onde só entra a música mais autêntica do momento, como aquela que é feita por David & Miguel.

moullinex e anna prior no super bock em stock

Moullinex B2B Anna Prior dão força à música eletrónica no cartaz do Super Bock em Stock

É difícil falar de música eletrónica em Portugal sem referir o nome de Moullinex, o alter-ego do viseense Luis Clara Gomes. Assume-se, cada vez mais, como umas das mentes mais irrequietas e criativas do panorama musical português, convidando vários géneros musicais para a sua música: soul, funk, garage rock e até MPB, tudo serve para enriquecer a eletrónica de Moullinex. Em nome próprio, e depois de dois discos aclamados pela crítica, “Flora” (2012) e “Elsewhere” (2015), Moullinex regressou aos discos com “Hypersex”, um registo que presta homenagem à cultura de dança. “Open House”, “Love Love Love” e “Work It Out” são alguns dos temas que marcam a carreira recente de Moullinex. 

Anna Prior é mais do que apenas a baterista da banda Metronomy. Ela é uma DJ conhecida e ouvida pelos seus próprios méritos. O programa de rádio mensal de Anna, “Beat Palace”, na Soho Radio de Londres, tem vários ouvintes fiéis às suas explorações sonoras. Anna começou a sua carreira na música há 20 anos, aperfeiçoando a sua arte e ganhando uma experiência inestimável como artista na cena da música ao vivo. O desejo de abrir seu próprio selo cresceu com o passar dos anos, o que acabaria mesmo por acontecer quando fundou a Beat Palace Records. Com a pandemia, Anna Prior viu-se com mais tempo para explorar novos sons e ideias que viriam a resultar no registo “Thank You For Nothing” editado neste ano de 2021. 

Neste momento Anna vive em Portugal e vive também apaixonada pelo nosso país. Hoje integra a Match Attack, grupo ao qual Moullinex também pertence. O Super Bock em Stock desafiou-os para um momento único no festival, em formato b2b, um DJ set em conjunto. Esta é uma ótima oportunidade de descobrir música nova e explorar sons diferentes, desafiando o público e também a si próprios. E, como se sabe, desafiar e ir além faz parte da identidade do Super Bock em Stock, que regressa no próximo mês de novembro a Lisboa.

Sports Team

sports team no cartaz super bock em stock 2021

Os Sports Team são responsáveis por algumas das performances mais eletrizantes e caóticas que se podem encontrar no Reino Unido nos dias de hoje. E foi graças a essa energia ao vivo que a fama da banda não parou de aumentar, a partir do momento em que pisaram o palco pela primeira vez.

O grupo conseguiu juntar muita gente em míticos lugares como o Five Bells e o Moth Club, mesmo antes de lançarem qualquer música. E o tão aguardado disco de estreia chegaria mesmo em junho de 2020. “Deep Down Happy” foi um dos lançamentos desse ano no Reino Unido e foi nomeado para um Mercury Prize. Depois do público, apaixonado por estas guitarras que se fazem protagonistas na música da banda, também a crítica se rendeu ao som produzido pelos Sports Team, chamando a atenção para um casamento feliz entre a britpop e o rock alternativo americano.

As canções refletem os dramas da vida moderna com todas as suas complexidades e também os dilemas de uma juventude cheia de forças e fragilidades. Canções como “Happy (God’s Own Country)” e “Here’s The Thing” são registos despretensiosos para serem levados muito a sério – também pelo público português, com o cartaz do Super Bock em Stock 2021.

django django no cartaz super bock em stock 2021

Django

No início, os Django Django não ambicionavam ser mais do que uma banda de culto, com um som às vezes ‘esquisito’ e uma audiência pequena, mas fiel; a verdade é que hoje são muito mais do que isso, chegando a milhares de pessoas e atuando nos maiores festivais do planeta.

A diversidade musical do início da década de 90 influenciou os elementos da banda e aquela que viria a ser a identidade sonora dos Django Django. De facto, as classificações e os rótulos nunca foram importantes para eles e sempre pareceram desajustados ou curtos para definir aquilo que a banda criava a cada nova música.

E essa liberdade já aparecia no disco homónimo editado em 2012 – uma mistura de rock de garagem com uma suave electropop. E também foi logo aí que veio a surpresa em relação ao impacto da banda: o disco valeu uma indicação para o Mercury Prize e constou na lista dos melhores do ano para publicações como a Rolling Stone e a NME. Seguiram-se “Born Under Saturn” (2015) e “Marble Skies” (2018), registos que confirmavam os Django Django como uma das bandas mais estimulantes da última década.

Em 2020 editaram “Glowing in the Dark”. A fuga é um dos temas fortes deste novo disco dos Django Django: fuga das restrições, do desespero, da vida numa pequena cidade e até o sonho de fugir da própria Terra. Mas esta fuga vem sempre acompanhada de uma esperança e de um otimismo que marcam esta nova fase da banda londrina. Temas como “Spirals”, “Waking Up” ou “Glowing in the Dark” prometem conquistar o público português também ao vivo, neste regresso do Super Bock em Stock.

BEnny sings no cartaz super bock em stock 2021

Benny Sings

Tim van Berkestijn, mais conhecido por Benny Sings, é um prolífico compositor, produtor e artista de Amesterdão. Ao longo destes anos de carreira Benny sempre procurou aprimorar a sua linguagem artística, ao mesmo tempo que criava autênticas pérolas pop que lhe garantiram fãs como John Mayer, Anderson, Paak e Rita Ora.

Já colaborou com artistas como Free Nationals, Sukima Switch, Mayer Hawthorne, entre outros, e viu a sua música ser escolhida para séries como “Girls”, “Love Life”, “Love” ou “Easy”. Numa época em que a música é mais necessária do que nunca, para fazer frente a sentimentos mais desesperados e trazer algum consolo, essa é precisamente a proposta de Benny: fazer canções que possam dar uma certa energia às pessoas, uma energia que contrarie a energia mais pesada destes tempos. E, segundo os fãs, funciona exatamente assim.

As canções luminosas de Benny rementem-nos para as décadas de 70 e 80, mas também trazem consigo uma toada R&B típica das décadas de 80 e 90. Benny já vai no oitavo disco da carreira, depois da edição de “Music”, em 2021, pela Stones Throw Records. E, graças a este registo, atingiu a marca dos 20 milhões de plays nas plataformas de streaming. Com as participações especiais de Cautious Clay, Mac DeMarco e KYLE, “Music” é um disco em que as canções são tudo aquilo que mais importa. E, talvez por isso, Benny Sings encaixe tão bem no cartaz do Super Bock em Stock 2021.

Black country, new road no sbstock

Black Country, New Road, serão uma “família” no cartaz Super Bock Super em Stock

Os Black Country, New Road são mais do que uma banda, são quase uma família. E isso nota-se na forma como quem ouve também é convidado a entrar no universo formado por Lewis Evans (saxofone), May Kershaw (teclado), Charlie Wayne (bateria), Luke Mark (guitarra), Isaac Wood (voz e guitarra), Tyler Hyde (baixo) e Georgia Ellery (violino).

E, neste caso, o número de elementos também quer dizer uma diversidade de influências que concorrem para o som dos Black Country, New Road: aqui há ecos de jazz, rock, klezmer, spoken-word, pós-punk e uma série de outros estilos, sem que, em algum momento, a proposta da banda deixe de soar natural.

Quando começaram a atuar no Windmill, em Brixton, Londres, logo chamaram a atenção pela força avassaladora das suas atuações. E só precisaram de dois singles para que o nome Black Country, New Road chegasse definitivamente aos ouvidos melómanos um pouco por todo o mundo.

“Sunglasses” e “Athen’s, France” geraram uma onda de entusiasmo em todos aqueles que acreditam no futuro do rock. E “For The First Time”, o disco de estreia, está aí para confirmar as melhores expetativas em torno destes sete jovens músicos. Os Black Country, New Road vêm a Portugal em novembro, no no regresso do Super Bock em Stock, e o público português vai experimentar a energia de uma banda que promete marcar o melhor feito nos próximos anos.

Miraa May

Se muitas vezes se diz que este ou aquele artista faz música para pensar ou para dançar, a proposta de Miraa May é suficientemente abrangente para que se possa dizer que nos faz rir, chorar, pensar, sentir e mais umas tantas coisas.

Esta artista nascida na Argélia oferece-nos canções sobre as amizades, as experiências nas ruas de norte de Londres, onde cresceu, e as histórias de uma vida moderna. O primeiro EP chegou em 2014: “The Beginning”. Essas primeiras canções, em conjunto com as suas performances ao vivo, atraíram a atenção do premiado produtor Salaam Remi (Amy Winehouse, Nas, The Fugees…), que viria a produzir o segundo EP de Miraa: “N15”.

E agora Miraa May editou aquela que é, até ao momento, a sua mais franca, sincera e desarmante coleção de canções. “Care Package” documenta a vida de uma jovem mulher capaz de se debruçar sobre os grandes temas e também sobre aqueles temas mais pequenos, que, nas canções de Miraa, ganham uma outra dimensão. O amor, a vida, a tristeza, as relações, a cozinha, os jogos e até Anime (que inspira a arte do disco), tudo isto é matéria para “Care Package”. Editado pelo Island Records, este registo mostra a força de uma personalidade que o público português merece ver ao vivo, neste neste cartaz do Super Bock em Stock 2021.

Filipe Karlsson em portugal

Filipe Karlsson introduz o disco pop no cartaz do Super Bock em Stock

Filipe Karlsson retrata uma relaxada correria entre as ondas do mar e o estúdio de produção, na forma de uma disco pop despretensiosa, inspiradora e carregada de groove. Em 2020, o artista luso-sueco estreou-se nas edições em plena pandemia, numa altura em que as suas “Teorias do Bem Estar” se acabaram por revelar mais essenciais do que nunca.

Ainda no ano passado foi revelado um novo conjunto de canções. “Modéstia à Parte” tem êxitos como “Razão” ou “A Paragem”, temas que, meses mais tarde, seriam finalmente libertados diante de plateias esgotadas, em palcos como a Altice Arena, o Teatro Maria Matos ou a Casa da Música.

Determinado em não baixar o ritmo e continuar a espalhar positivismo e boa onda em forma de canções, Karlsson reserva-nos para 2021 o último EP desta trilogia de curtas durações. “Vento Levou” é um single de verão, que também saberá bem ouvir em pleno outono lisboeta, no regresso do Super Bock em Stock.

Leo Meddea no cartaz super bock em stock

Leo Middea

Leo Middea é carioca, leve, solar. Tudo nele dança. Quem o vê em cima do palco, logo se surpreende pela presença e pela pouca idade. O cantor e compositor já rodou o mundo ao lado de seu violão e atualmente está radicado em Lisboa, capital portuguesa onde gravou todo o seu novo trabalho. “Lisboa pra mim é a ‘Terra das Despedidas’, sempre há um fluxo enorme de pessoas, de diversas partes do mundo, que chegam, vivem, entram em nossa vida e vão embora.” Esta é a experiência do própria artista e uma experiência que marca as doze faixas de “Vicentina”.

Este é um registo que carrega muitas histórias, viagens e sentimentos que já foram capazes de o fazer navegar por vários países, para onde sempre levou a sua música. Com quase 4 milhões de audições apenas na plataforma digital Spotify, Leo Middea segue “rodopiando na ciranda ou mergulhado em silêncio”. O que sempre fica da sua música é o convite à contemplação – um convite que o público português deve aceitar no regresso do Super Bock em Stock.

Cartaz Super Bock em Stock (muito) mais eclético com Acácia Maior

concerto de acácia maior em portugal

Acácia Maior é um coletivo de músicos criado por Henrique Silva e Luis Firmino, raízes e tronco desta árvore que começa agora a florescer no horizonte musical cabo-verdiano. Acácia, uma árvore predominante nas ilhas de Cabo Verde, tem raízes bem firmes no terreno tradicional, mas também ramos e folhas estendidas para o universo.

Essa imagem traduz a liberdade das composições que se expressam nos mais variados estilos musicais. Do Reggae ao Zouk, da Morna à Mazurca, do Hip-Hop ao Funaná, Acácia Maior é um projeto que aparece como um testemunho de liberdade e criatividade nestes tempos por vezes mais sombrios.

Assim, criação, fusão e tradição são o mote para esta viagem sem fronteiras de um coletivo que, a cada obra, reúne artistas de diversas áreas em todo o processo, da escrita à masterização. O álbum de estreia, com 10 canções, tem edição prevista para este ano de 2021. Acácia Maior é este projeto independente que promete conquistar o coração do público presente no Super Bock Em Stock, em novembro deste ano.

ICEAGE

iceage no cartaz super bock em stock

Os mais céticos quanto ao presente e futuro do rock podem encontrar razões para ter esperança em bandas como os Iceage. A banda dinamarquesa formada por Johan Surrballe Wieth, Dan Kjær Nielsen, Elias Bender Rønnenfelt, Jakob Tvilling Pless e Casper Morilla já vai no quinto disco de originais e, dez anos depois da estreia, continua a desafiar-se a cada novo registo, não repetindo fórmulas do passado, mesmo quando essas fórmulas são sinónimo de sucesso, tanto para o público como para a crítica. A

energia explosiva da banda revelou-se logo na estreia. “New Brigade”, editado em 2011, mostrou um grupo de jovens formados no pós-punk, hardcore e no wave. Seguiram-se “You’re Nothing” (2013) e “Plowing Into the Field of Love” (2014).

A agressividade punk continuou a marcar a identidade da banda, mas é como se a atmosfera se tornasse cada vez mais densa e obscura ao longo destes primeiros registos dos Iceage. “Beyondless”, editado em 2018, mostrava uma banda empenhada em ir ainda mais além, convidando uma série de elementos novos para a sua música e dando origem a um disco bem diferente dos anteriores e cheio de tonalidades. Peter Kember, conhecido como Sonic Boom, líder dos Spacemen 3 e produtor dos MGMT e Beach House, foi o escolhido para produzir “Seek Shelter”, o quinto disco da banda.

Este registo foi gravado em Lisboa, ainda antes da pandemia. E, talvez influenciado pela cidade, “Seek Shelter” dá-nos conta de uma luz nova entre as sombras que esta banda tão bem sabe explorar. Entretanto o mundo mudou, mas as canções continuam magníficas – e voltam a Lisboa, no regresso do Super Bock em Stock.

Wet Leg entram no cartaz do Super Bock em Stock de guitarras em punho

concerto de vet leg em lisboa

Tudo começou quando as sensibilidades de Rhian Teasdale e Hester Chambers se encontraram no topo de uma roda gigante. Pouco depois decidiram formar uma banda e deram-lhe o nome de Wet Leg. Com guitarras em punho, uma imaginação efervescente e uma paixão partilhada pela música de nomes como The Ronettes, Jane Birkin, Ty Segall e Björk, elas começaram a fazer as primeiras canções. E é difícil imaginar melhor início do que aquele nos é apresentado pelo single “Chaise Longue”.

Produzido por Jon McMullen e misturado por Alan Moulder (Arctic Monkeys, Beach House, Foals…), esta estreia da banda é um clássico instantâneo, capaz de colocar o mundo todo de olhos postos no futuro das Wet Leg. E a prova disso é que o vídeo que acompanha o single, também ele uma pérola realizada pelas próprias integrantes da banda, já ultrapassou a marca do milhão de visualizações no YouTube.

Quando se ouve a música das Wet Leg é fácil perceber a influência do surf rock dos anos 60, mas as influências detetadas também podem ser contemporâneas: Best Coast, The Strokes, Alvvays… Este arranque das Wet Leg não poderia ser mais promissor e faz crescer as expectativas também entre o público português, que terá no cartaz do Super Bock em Stock 2021 a oportunidade de os encontrar ao vivo.

Nine8 Collective

nine8 collective no super bock em stock 2021

NiNE8 COLLECTIVE é um coletivo de criadores sediado em Londres e fundado no ano de 2016. Composto por jovens artistas, músicos, rappers e outros criativos, que vão da moda à música, passando pelas artes visuais, este coletivo funciona como uma plataforma que permite facilitar a criação e a promoção da cultura britânica ligada ao movimento underground. Tudo começou quando um grupo de amigos começou a fazer música, as imagens que acompanhavam essa música e até roupa.

No início, a partilha era feita dentro deste pequeno grupo de jovens, mas rapidamente a escala se alargou, construindo uma rede de artistas que se identificam com as ideias sobre as quais se edifica este NiNE8 COLLECTIVE. A presença no Red Bull Music Festival e os concertos dados em Amesterdão e Roterdão, por exemplo, são alguns dos momentos altos do percurso deste coletivo britânico.

Encetar colaborações e promover o trabalho de cada um dos membros é o grande objetivo de um coletivo que é, cada vez mais, sinónimo da arte, da música e da moda de vanguarda que parte da cultura underground do Reino Unido para todo o mundo – e a próxima paragem é mesmo Portugal, já em novembro, no Super Bock em Stock.

Nena representará a música portuguesa no cartaz do Super Bock em Stock 2021

Nena é um nome para seguir com toda a atenção no atual cenário da música portuguesa. Apesar de a sua formação profissional ter sido na área da comunicação, a paixão e a devoção pela música assumiram o primeiro plano na sua vida e, desde 2019, Nena dedica-se profissionalmente a esta área que tanto a apaixona.

Influenciada musicalmente por nomes como John Mayer, Taylor Swift, Sara Bareilles, The Chicks (ex-Dixie Chicks) ou Maro, Nena começou a desenvolver-se nesse ofício da escrita de canções desde muito jovem, tendo escrito a sua primeira canção quando tinha apenas 12 anos de idade.

No processo de composição, à guitarra, onde letra e música nascem habitualmente em simultâneo, o amor é a temática mais recorrente. E um belo exemplo disso é “Portas do Sol”, uma canção irresistível com produção e arranjos de João Só e que já conquistou o público português, ultrapassando a marca de 2 milhões de visualizações no YouTube. Uma bela oportunidade para ouvir esta e outras canções ao vivo acontece já em novembro, no Super Bock em Stock.

stckman e kyle west em lisboa

Stckman w/ Kyle West

Desde a sua estreia no panorama eletrónico nacional em 2017, com o EP “Fly Away”, Nuno Espírito Santo, mais conhecido como Stckman, tem sido uma personagem cujo currículo pode ser difícil de acompanhar, dada a extensão do seu trabalho de produção nos mundos da música e da moda.

A confirmação enquanto nome a ter em conta chegou aos 17 anos, na forma do single “Gira (demo)”. A canção chegou à impressionante marca de 1 milhão em streamings e valeu ao artista uma sólida base de dedicados seguidores um pouco por toda a Europa Central e Ocidental. Desde então, acumula com o trabalho de produção o estatuto como um dos DJs mais requisitados e entusiasmantes da grande Lisboa.

Em junho de 2021 chegou a edição do seu tão aguardado álbum de estreia, “stckman”, que cruza a sua pop eletrónica com influências de house e r&b, e que serve de casa a temas como “time w u” ou “droptop”. Com o novo longa-duração em carteira, Stckman prepara-se para levar ao Super Bock em Stock, já em novembro deste ano, o seu novíssimo formato ao vivo, e no qual se faz acompanhar de Kyle Quest, colaborador regular que empresta a voz a vários dos temas de “stckman”. E esse será mais um momento imperdível no festival mais cool do outono lisboeta

Narciso no super bock em stock

Narciso junta-se à “armada portuguesa” no Super Bock em Stock 2021

Vasco Narciso, ou simplesmente Narciso, é formado em guitarra jazz pelo Hot Club de Portugal, em Lisboa, e pelo Conservatório de Amesterdão. Nos últimos três anos criou projetos como a banda Hammond Crash ou a dupla de música improvisada Vasco Duo. Trabalhou também em bandas sonoras para filmes e instalações.

Recentemente juntou mais três elementos ao seu projeto Narciso, já com o palco em vista. “Anticorpo” é o seu primeiro lançamento. Trata-se de um EP de quatro faixas instrumentais, influenciadas pelo jazz, pop e indie rock, e do qual se destaca o single “Leve”, tema ilustrativo do conceito deste trabalho: a ultrapassagem de barreiras e a busca pela tranquilidade. Esse é também o mote inspirador para o concerto já marcado no cartaz do Super Bock Em Stock 2021, já em novembro deste ano.

Informação de Bilhetes

Passe único dois dias: 
Até 15 de outubro: preço especial 40€ 
De 16 de outubro a 18 de novembro: 45€ 
Nos dias do Festival: 50€

Locais de venda:
meoblueticket.pt – Call Center Informações e reservas 1820 (24 horas), ABEP, Bilheteiras da Altice Arena, rede Pagaqui, FNAC e bilheteira.fnac.pt, Worten, Phone House, ACP, El Corte Inglês, Turismo de Lisboa, BOL, Coliseu dos Recreios, Festicket. 

Contacto com a Imprensa:
Ivone Lourenço

[email protected]

+351 21 010 57 00

FONTESuper Bock em Stock
Artigo anteriorRumo a Glasgow: uma corrida contra o tempo no combate às alterações climáticas
Próximo artigoJazz nas Adegas recebe The Tavares Jazz Quartet
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".