Estamos a viver tempos difíceis. As medidas de bloqueio total ou parcial implementadas em todo o mundo afetaram 2,7 mil milhões de trabalhadores, o que representa 81% da força de trabalho de todo o mundo. Prevê-se que a pandemia do COVID-19 resulte em 195 milhões de empregos perdidos em todo o mundo. Somente na Europa, acredita-se que 58 milhões de empregos estejam em risco sendo os mais expostos os trabalhadores das indústrias de artes, entretenimento, hotelaria e restauração. Uma pesquisa com 2.079 executivos, de todo o mundo, sugere que, apesar dos esforços de muitos governos para compensar o impacto económico, a recuperação global será lenta e silenciosa. Por isso, para garantir uma sustentabilidade do novo normal, e à medida que as economias começam a reabrir, gradualmente, e as empresas reiniciam as suas atividades, é importante garantir segurança e saúde no trabalho.

Ajustar-se a uma nova realidade exigirá distanciamento físico e outras medidas estritas. Diretrizes, processos e protocolos claros, devem ser estabelecidos para apoiar funcionários e empregadores.

A Direção Geral de Saúde tem divulgado as recomendações a considerar para este regresso ao trabalho. A especificidade de atuação dos vários setores faz com que não exista um modelo único de protocolo e que seja desafiante para as empresas de várias dimensões e modelos garantirem todas as dimensões de segurança, seja na retoma, seja em continuidade. E garantir também que, em simultâneo, que os empregados, tal como os empregadores, têm a confiança necessária e a corresponsabilidade no cumprimento das medidas.

Aliança criou protocolos e “white paper” sobre segurança e saúde no trabalho

Com base nesse compromisso, e para ajudar outras empresas a prepararem-se para o mundo do trabalho pós-pandemia, o setor de serviços de RH assistiu à formação de uma Aliança, liderada pelo The Adecco Group, Randstad e Manpower Group, exortando outras partes interessadas, como entidades empregadoras, sindicatos e ONG a participar, e governos a apoiar e estimular esses esforços.

Desta aliança, resultou já uma primeira análise de vários mercados e indústrias, e o lançamento de um guia prático sobre protocolos de segurança e saúde no trabalho, reunidas num white paper.

“A segurança e bem-estar dos colaboradores faz parte do ADN da Adecco e deve ser uma prioridade para todos os agentes económicos. Esta iniciativa conjunta, atinente ao bem comum da sociedade, permite-nos disponibilizar uma seleção das melhores práticas, dado o nosso conhecimento transversal dos setores do tecido empresarial. Com a garantia de um retorno com segurança sanitária, as empresas permitem que o colaborador se sinta confortável e com as condições necessárias para continuar a acrescentar valor através da sua atividade presencial. Esta é também uma das responsabilidades do nosso setor: afastar o medo e devolver a confiança, afirma Carla Rebelo, CEO da Adecco Group Portugal.

Medidas concretas para evitar a disseminação:

• Para evitar riscos à saúde no local de trabalho, e sempre que possível, os trabalhadores devem ser incentivados a trabalhar remotamente, e a comunicação deve ocorrer virtualmente.

• A comunicação interna e externa é extremamente importante. Como regra geral, exagerar ao invés de subcomunicar. Certifique-se de selecionar os canais e as ferramentas mais apropriadas para comunicar sobre tópicos relacionados com a segurança e saúde no trabalho, com as regras críticas de higiene ou com a formação on-line sobre segurança e saúde do trabalhador.

• Devem ser fornecidas quantidades suficientes de EPI e produtos sanitários apropriados. As empresas devem incentivar pausas para lavar as mãos e organizar períodos fora das instalações para apanhar ar fresco.

• É vital estabelecer e aplicar uma regra de distanciamento físico que esteja em conformidade com os requisitos da DGS. Apoie o entendimento das conformidades pelos trabalhadores, por meio de comunicações e através de sinalética física em pisos, paredes e áreas de trabalho.

• Barreiras físicas são essenciais para reduzir a infeção. Isso inclui barreiras transparentes e áreas isoladas para separar o pessoal entre si e, se necessário, dos clientes.

Segurança e saúde no trabalho: pontos de contacto, monitorização, viagens e logística…

• A pensar na segurança e saúde no trabalho, a limpeza de todos os ‘pontos de contato’ – maçanetas, corrimões, botões de elevadores, torneiras e portas e janelas – é importante e deve ser agendada, sistemática e muito visível para os funcionários.

• Qualquer monitorização, teste e vigilância da saúde deve obedecer às regras do local de trabalho e de privacidade impostas pelo Governo e quaisquer atividades devem, preferencialmente, responder aos requisitos da DGS para monitorizar a saúde dos funcionários.

• No que diz respeito, a relatórios e controlo de infeções, as empresas devem seguir e aplicar procedimentos e recomendações publicadas pela DGS.

• Em viagens e logística, as empresas devem planear com base em acordos de trabalho alternativos e devem ser elaborados protocolos para definir formas de transporte aceitáveis ​​para os funcionários a quem deva ser garantido o transporte local, para, do e durante o trabalho.

• Para garantir a continuidade dos negócios, e a segurança e saúde no trabalho, as organizações devem manter uma abordagem multidisciplinar da equipa, para gerir as operações diárias e mês a mês e atualizar os planos de contingência para o funcionamento seguro e eficiente do local de trabalho, à medida que a ameaça COVID-19 evolui.

• Os líderes mais seniores da empresa devem fazer um esforço de resposta à pandemia e liderar de forma assertiva. Delegar a execução da resposta pandêmica a colegas de saúde e segurança, sem dar apoio e suporte a 100%, pode levar ao fracasso.

Como muitas organizações estão atualmente a passar do trabalho remoto ou suspensão de operações para o trabalho dentro dos requisitos da nova economia de distanciamento físico, o white paper sobre segurança e saúde no trabalho, desenvolvido pela Aliança oferece conselhos práticos e exemplos de melhores práticas que, se adotadas rapidamente, beneficiam as empresas e os seus trabalhadores.

Sobre o Grupo Adecco:

O Grupo Adecco é líder mundial em soluções de Recursos Humanos. Acreditamos em tornar o trabalho futuro para todos, e diariamente possibilitamo-lo com mais de 3.5 milhões de carreiras. Presente em 60 países, conta com uma equipa composta por mais de 33.000 colaboradores, que diariamente trabalham na procura de talento para mais de 100.000 organizações, proporcionando trabalho diário permanente e flexível a mais de 700.000 pessoas. Sediado na Suíça, o Grupo é constituído pelas marcas Adecco, Adia, Badenoch & Clark, General Assembly, Lee Hecht Harrison, Modis, Pontoon, Spring Professional, YOSS e Vettery. O Grupo integra a lista Fortune Global 500 e é conhecido por liderar pelo exemplo, criando valor partilhado impulsionando simultaneamente a inovação. A sua cultura promove a inclusão, a justiça e o trabalho em equipa, capacitando pessoas e organizações, dinamizando a economia e enriquecendo a sociedade.

Presente em Portugal desde 1989 a Adecco tem atualmente uma rede de 19 agências e uma estrutura interna com mais de 250 colaboradores. Diariamente proporciona trabalho a mais de 24.000 pessoas, colocadas em cerca de 1.500 empresas clientes, de vários sectores de atividade.  Sendo uma das mais reconhecidas empresas de RH no nosso país a Adecco Portugal conquistou vários prémios como Mind Leaders Awards, nas categorias de Outsourcing e Trabalho Temporário e foi considerada, por dois anos consecutivos, uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A empresa recebeu também o prémio de melhor empresa de Serviços e integra a listagem dos Melhores Fornecedores RH em diversas categorias.

Para mais informações, por favor, contactar:

Sofia Velasco                     

Communication Director @ EDC

Tel: (+351) 211 913 070

Tm: (+351) 932 101 396

Email: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome