inovação digital

O AI4PA, que foi hoje lançado num evento online, visa apoiar a otimização das políticas públicas nas várias áreas de governação através da promoção de soluções de inovação digital com base na Inteligência Artificial e Ciência de Dados.

O objetivo do Polo de inovação é apoiar a transição digital nas várias áreas de intervenção do Estado, a diferentes escalas territoriais, através do desenvolvimento de serviços e soluções inovadoras assentes em ciência dos dados e inteligência artifical, assim como aumentar as competências das entidades públicas e das pequenas e médias empresas (PME) que lhes prestam serviços.

AMA “estará ao leme” do novo polo de inovação digital para a administração pública

A AMA irá assumir a coordenação geral deste polo, que reúne mais de duas dezenas de parceiros, entre administração (central, regional e local), academia e empreas, facilitando o contacto com outras entidades da AP, partilhando experiências nos domínios da aplicação de soluções digitais à AP e contribuindo para a disseminação de boas práticas.

Para Sara Carrasqueiro, membro do Conselho Diretivo da AMA, “uma das nossas missões passa por promover a modernização da prestação e distribuição de serviços públicos orientados para a satisfação das necessidades dos cidadãos e das empresas. Nesse sentido, lideramos áreas como a estratégia e governação das TIC, identificação eletrónica, interoperabilidade, dados abertos, experiência do utilizador e acessibilidade, entre outros componentes base do governo digital em Portugal, e este projecto insere-se precisamente nesse eixo, com um foco especial na aceleração da transição digital em curso”.

 “A NOVA IMS, enquanto escola líder na área da gestão de informação e ciência dos dados, tem colocado a transição digital e a construção de um novo paradigma de políticas públicas assentes em dados na linha da frente das suas prioridades, desde a sua concepção, passando pela sua implementação e monitorização, até à sua avaliação. É um dos protagonistas da inovação a que temos vindo a assistir na administração pública, nacional e local, no desenvolvimento de novas abordagens assentes em dados e na criação de mais valias para a sociedade, ao mesmo tempo que garante a proteção da privacidade dos cidadãos e a sua utilização ética. Isso é feito em processos de co-criação e abordagens analíticas, colocando os cidadãos e as empresas no centro, o que agora ganha um forte impulso com a criação deste polo de inovação digital. O AI4P, com todos os parceiros que o suportam, tem como ambição ser o catalisador que, tirando partido da ciência dos dados, do conhecimento disponível e das competências do consórcio, irá ser o motor da inovação digital e desenvolver uma nova geração de produtos e serviços da administração pública em Portugal”, considera Miguel de Castro Neto, subdirector da NOVA IMS.

“Importa apoiar a transição digital da administração pública através do recurso à Inteligência Artificial e outras tecnologias inovadoras com o objetivo de aumentar a eficácia e a eficiência das políticas públicas e a qualidade dos serviços públicos, otimizando, monitorizando e avaliando as políticas nas várias áreas da governação, fomentando a adoção de dados abertos, capacitando os respetivos técnicos e líderes e envolvendo também os cidadãos e as empresas, que é o que o AI4PA se propõe levar a cabo. O ISCTE tem assumido um papel de liderança, no domínio das políticas públicas e da ciência dos dados, e pretende neste projeto dar o seu contributo no apoio à transformação digital da Administração Pública com abordagens de Inteligência Artificial, em estreita parceria com a AMA, NOVA IMS e os restantes parceiros” acrescenta, José Miguel Sales Dias, Professor Associado com Agregação do ISCTE.

Este projeto tem muitos outros parceiros envolvidos, apesar de ter três entidades a assumir maior destaque e com pepal de coordenação. A lista de membros também inclui a Associação Empresarial de Sintra, a Associação Industrial Portuguesa – Câmara de Comércio e Indústria, a Associação Nacional de Pequenas Médias Empresas, a Audax, a Cisco, a CoLABOR, a Esri Portugal, a Mentortec, a MORE CoLAB, a UGT – União Geral de Trabalhadores, a Uninova, a Câmara Municipal de Sintra, a Câmara Municipal de Viseu, a Comunidade Intermunicipal do Oeste, bem como a Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência e o Gabinete de Estratégia e Planeamento, num esforço conjunto para  aprofundar parcerias em áreas técnico-científicas no âmbito de atuação deste protocolo.

Para mais informações

Hugo Vaz de Oliveira

[email protected]

FONTENova Information Management School
Artigo anteriorBolsas para o ensino superior: há cada vez mais alunos a pedir apoios
Próximo artigoPrograma para o Dia dos Namorados no Algarve: Cascade Wellness Resort tem proposta irresistível

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome