custos associados a educação

Num ano em que muitas famílias enfrentam dificuldades económicas, o início do ano letivo adivinha-se mais complicado, quando comparado com o ano passado. Os portugueses esperam gastar com o regresso às aulas em média, 632€ (+107€ face a 2022 – um agravamento nos custos associados à educação de 20%), sendo que 95€, em média, se destinam à compra de material escolar essencial. Em roupa, mobiliário, telemóveis, tablets, computadores e meios de transporte de mobilidade suave como bicicletas e trotinetes, os gastos rondam, em média, 150€. Estes são alguns dos dados avançados pelo Observador Regresso às Aulas 2023, um estudo conduzido pelo Cetelem – marca comercial do grupo BNP Paribas Personal Finance, que também indica que os encarregados de educação cujos educandos frequentam o Ensino Superior (829€) e Ensino Secundário (626€) enfrentam um gasto médio mais elevado face aos restantes.

Custos associados à educação são uma fonte de stress

Face ao aumento do custo de vida, os gastos com educação revelam-se uma fonte de stress para 27% dos encarregados de educação, sendo mais evidente entre os que têm educandos a frequentar o ensino privado (32%) que comparam com 27% face ao ensino público. Adicionalmente, 22% referem temer não conseguir financiar a educação.

Este ano apenas 36% dos encarregados de educação afirmam ter total capacidade para financiar a educação, um decréscimo de 15 pontos percentuais face a 2022. Já 5% dos encarregados de educação precisam de apoio para financiar a educação.

Em relação à sua situação financeira, cerca de 40% dos encarregados de educação avaliam-na como tendo piorado em 2023 (39%), um aumento de 20 pontos em comparação com o ano passado. Os encarregados de educação que consideram que a sua situação está igual face ao período homólogo é de 41%.

Os encarregados de educação cujos educandos frequentam o ensino público acreditam que a sua situação financeira é “pior” (32%) e “muito pior” (8%) de forma ligeiramente mais expressiva face ao ensino privado (28% e 6% respetivamente).

Mais de metade dos encarregados de educação não têm poupanças destinadas à educação

55% dos encarregados de educação revelam que não têm uma poupança destinada para fins educativos (+16pp. face a 2022), sendo que destes 33% tencionam constituir uma poupança no futuro e 22% não o preveem fazer. Já 17% dos encarregados de educação que têm uma poupança afirmam que não vão gastá-la neste regresso às aulas, enquanto 28% precisarão de fazê-lo.

A representação dos encarregados de educação que têm poupanças e irão utilizá-la no regresso às aulas é mais elevada no ensino privado (33%) face ao público (27%). Por outro lado, os encarregados de educação que não têm uma poupança, mas pretendem vir a constitui-la é mais elevada entre aqueles cujos educandos frequentam o ensino público (34%) face ao privado (27%).

A maioria dos encarregados de educação (96%) vão adotar medidas para tornar as compras do regresso às aulas menos dispendiosas, sendo que 69% tencionam cingir-se a comprar o que é necessário – um aumento de 10 pontos face a 2022.

Procurar mais promoções (62%), reutilizar material escolar (55%), optar por produtos mais baratos (41%), de marca branca (39%) e packs (19%) ou mesmo recorrer à compra de materiais em segunda mão (11%) são algumas das alternativas encontradas pelos portugueses para fazer face a esta situação.

A maioria destas alternativas são mais populares entre os encarregados de educação cujos educandos frequentam o ensino público, à exceção da compra de materiais usado, mais popular no ensino privado (14%).

Metodologia

Estudo conduzido através de entrevistas online. Foram feitos 1300 contactos, representativos da população portuguesa (quotas de género, idade e região de acordo com os dados do INE) para realizar as entrevistas positivas. O erro máximo associado à amostra de 584 entrevistas junto dos Encarregados de Educação é de +4.05 p.p. para um intervalo de confiança de 95%. O erro máximo associado à amostra de 338 entrevistas junto dos Estudantes Adultos é de +5.33 p.p. para um intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram conduzidas por intermédio de questionário estruturado de perguntas fechadas, fornecido pelo Cetelem, com a duração máxima de 10 minutos. Os trabalhos de campo integraram indivíduos de diferentes géneros, de idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, residentes em Portugal Continental e Ilhas, que tenham dependentes em idade escolar ou que sejam eles próprios estudantes.

Sobre o Observador Cetelem 

Há 23 anos em Portugal, o Observador Cetelem é um centro de estudos sobre consumo e de acompanhamento económico do BNP Paribas Personal Finance. A sua missão é observar, esclarecer e decifrar a evolução dos padrões de consumo internacionalmente. Para satisfazer este requisito, foi criado um sistema baseado na diversidade e na complementaridade de conteúdos com estudos anuais internacionais de referência, um sobre o automóvel à escala mundial e outro sobre o consumo a nível europeu; além de estudos realizados localmente como forma de acompanhar o consumo em Portugal.  

Os estudos Observador Cetelem são realizados pelo Cetelem – BNP Paribas Personal Finance, entidade especialista em crédito ao consumo do Grupo BNP Paribas, que é um player Europeu de referência no sector, que está presente em mais de 30 países de 4 continentes, empregando mais de 20 mil pessoas. Em Portugal desde 1993, tem como propósito promover o acesso a um consumo mais responsável e sustentável para apoiar clientes e parceiros. Uma missão diária de mais de 650 colaboradores – especialistas em crédito pessoal, financiamento automóvel, cartões de crédito e seguros. Produtos subscritos por milhões de clientes no site, na app, por telefone, nas lojas ou num dos 3800 estabelecimentos de parceiros. 

Para mais informações:

ATREVIA – 21 324 0227

Andreia Martins – [email protected]

FONTECetelem
Artigo anteriorEletrónica de Consumo e bens tecnológicos: mercado global diminuiu
Próximo artigoAvaliação bancária: Doutor Finanças explica como etapa pode condicionar a venda das casas
Press Release
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome