circulos de pedras na antartida
Círculos de pedras na Antártida formam-se pela dinâmica sazonal do solo

Pedro Pina, professor e investigador do Departamento de Ciências da Terra (DCT) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), está a estudar e a monitorizar a evolução de círculos de pedras na Antártida, naturalmente em formação há 10 mil anos, quando os glaciares da região começaram a recuar e criar zonas livres de gelo.

Toda a informação geológica recolhida no âmbito do projeto CAMOES, financiado pelo Programa Polar Português (PROPOLAR), será compilada num mapa detalhado desta região polar.

«Nas zonas polares e de alta montanha é comum existirem padrões naturais de fragmentos rochosos que se formam, sobretudo, em regiões livres de gelo como permafrost, em que o solo, por variação sazonal de temperatura, cria à superfície círculos de pedras, que podem ter entre 1 a 4 metros de diâmetro. É a evolução destes círculos que estamos a estudar e monitorizar, através de imagens de satélite e, mais recentemente, de drones», explica Pedro Pina.

O permafrost é a camada do solo da crosta terrestre que está permanentemente congelada. No entanto, se as temperaturas atingirem zero graus ou mais, esta camada começa a descongelar e a possibilitar uma dinâmica semelhante à do solo “normal”, acabando por permitir, na Antártida, a implantação de vegetação rasteira (tipicamente líquenes e musgos).

Círculos de pedras na Antártida: padrões ajudam a perceber o clima dos últimos 10 mil anos

De acordo com o investigador do DCT, estes círculos de pedras na Antártida “formam-se pela dinâmica sazonal do solo, que, mesmo que não descongele, sofre variações de temperatura ao longo do ano, o que faz com que se movimente, começando a expulsar primeiro as pedras maiores do subsolo para a superfície, “arrumando-as” depois radialmente à superfície (em forma de círculo). Este fenómeno natural é um bom indicador das características de climas passados. É aliciante estudar estes círculos de pedras que se formam ao longo de centenas de milhares de anos», conta.

Estes padrões ajudam a perceber o clima que existiu na região nos últimos 10 mil anos. O objetivo desta monitorização «é quantificar a densidade espacial dos círculos, se são maiores ou menores, se ainda estão ativos ou não. A sua dinâmica é sempre muito baixa (poucos milímetros por ano), por isso não os vemos a movimentar-se, mas percebe-se que estão ativos se o solo estiver húmido. Porém, se estiver coberto de vegetação, normalmente, significa que já não estão ativos», esclarece.

«Fazer a caracterização morfométrica destes círculos, identificar o tipo de rocha e de solo, e relacionar isso com expansão da vegetação é também muito importante para perceber o avanço das alterações climáticas», conclui o investigador que está a monitorizar os círculos de pedras na Antártida.

Para mais detalhes sobre o PROPOLAR consultar aqui.  

Gabinete de Imprensa:

Sara Machado

Assessora de Imprensa 

Universidade de Coimbra • Faculdade de Ciências e Tecnologia

96 9728546

FONTEUniversidade de Coimbra • Faculdade de Ciências e Tecnologia
Artigo anteriorSmartwatch para crianças com GPS e botão SOS: Maxcom Kiddo chegou ao mercado
Próximo artigoVerknipt Portugal: estreia em solo nacional do festival holandês acontece em Lisboa
Press Release
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome