cancro gastrico
Novo estudo sobre o cancro gástrico contribuirá para o estabelecimento de novos biomarcadores preditivos de resposta à terapia anti-HER2

Uma equipa de investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S) identificou recentemente um novo mecanismo molecular que explica a resistência de alguns doentes com cancro gástrico ao medicamento utilizado nestes casos. Esta descoberta foi publicada na revista Oncogene e representa um importante passo no tratamento personalizado dos pacientes com cancro do estômago.

Este estudo, liderado pelos investigadores Celso Reis e Joana Gomes, contou também com a participação de equipas do IPO Porto e da Universidade de Leiden, na Holanda, e focou-se na resistência ao trastuzumab, um dos poucos agentes de terapia personalizada aprovado para o tratamento de pacientes com cancro gástrico de estádio IV (avançado e com metástases) positivo para o recetor oncogénico HER2 (cerca de 10-15% dos casos de cancro do estômago).

O trastuzumab, explica Henrique Duarte, primeiro autor do artigo, «liga-se a este recetor HER2 (presente nas células malignas) e consegue bloqueá-lo, acabando por provocar a morte das células tumorais. No entanto, a maioria dos pacientes com cancro gástrico desenvolve, de imediato ou num curto período de tempo, resistência molecular ao trastuzumab, o que compromete a sua eficácia terapêutica e aplicabilidade clínica».

Investigação utilizou modelos celulares de cancro gástrico positivo para o recetor HER2

O investigador descreve que começaram por caracterizar a estrutura dos glicanos (cadeias de açúcares presentes nas células) ligadas ao recetor HER2 em células tumorais do estômago e confirmaram a presença de algumas destas estruturas em amostras clínicas de pacientes.

«Verificámos que a modificação do recetor HER2 com determinados tipos de glicanos ocorre especificamente no domínio de ligação do HER2 ao anticorpo terapêutico trastuzumab. Depois, utilizando modelos celulares de cancro gástrico positivo para o recetor HER2, desvendámos o mecanismo molecular através do qual estas cadeias de açúcares conferem resistência ao trastuzumab», explica Henrique Duarte.

LEIA TAMBÉM: Camarinha: estudo indica que poderá ter propriedades anticancerígenas

Esta descoberta, sublinha o investigador Celso Reis, líder do grupo de investigação do i3S «Glycobiology in Cancer», «permitiu identificar um mecanismo, até agora desconhecido, de resistência molecular à terapia com trastuzumab nestes pacientes, e contribuirá para o estabelecimento de novos biomarcadores preditivos de resposta à terapia anti-HER2 e para uma melhor estratificação dos pacientes elegíveis para este esquema terapêutico».

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Luísa Melo

Unidade de Comunicação do i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde

Telf: +351 220 408 800 Ext. 6208 | E-mail: [email protected]

FONTEi3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde
Artigo anteriorSwimout é… fish! Swimout é cool e… português
Próximo artigoeDreams: procura de ingleses por viagens para Portugal aumentou 387% em dois dias
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".