Um consórcio mundial de especialistas, do qual fazem parte três grupos de investigação do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), acaba de publicar na revista científica “Lancet Oncology” as novas guidelines internacionais de diagnóstico, prevenção e tratamento da Síndrome de Cancro Gástrico Difuso Hereditário (HDGC).

O artigo surge na sequência da reunião de trabalho que teve lugar na Nova Zelândia, em março de 2019, e que juntou especialistas de todo o mundo (geneticistas, investigadores básicos, cirurgiões, profissionais de aconselhamento genético, oncologistas, nutricionistas, farmacologistas…), para discutir o conhecimento atual sobre esta síndrome ligada ao gene da Caderina-E, CDH1.

«Duas décadas depois de ter sido identificada a base genética para a Síndrome de Cancro Gástrico Difuso Hereditário, juntámo-nos para definir novas orientações clínicas e aproveitámos para debater a expansão da causa da doença a um novo gene (CTNNA1), assim como os sinais de suspeita clínica a novas apresentações, nomeadamente malformações congénitas e um tipo de cancro da mama, especificamente associado à perda de Caderina-E», explica Raquel Seruca, líder do grupo de investigação do i3S «Epithelial Interactions in Cancer».

Investigadores portugueses são referências científicas mundiais no domínio do cancro gástrico

Este encontro na Nova Zelândia, acrescenta Carla Oliveira, líder do grupo «Expression Regulation in Cancer», contou com a participação especial de famílias portadoras de mutações no gene CDH1, incluindo as primeiras a serem descritas no artigo que reporta a descoberta da síndrome. «A presença das famílias nesta reunião fez deste encontro uma ocasião especial, criando a oportunidade para ouvir testemunhos clínicos reais, e na primeira pessoa, mas também para mostrar aos que sofrem da doença os contributos importantes de muitos cientistas e profissionais de saúde», completou.

Os investigadores do i3S/Ipatimup têm tido um papel ativo e fundamental desde o primeiro dia no consórcio mundial que estuda a Síndrome de Cancro Gástrico Difuso Hereditário.

A patologista Fátima Carneiro, do grupo de investigação do i3S «Intercellular Communication and Cancer», foi a primeira a descrever as características microscópicas da doença no estômago e é atualmente consultora mundial na área desta patologia. Consideradas referências a nível internacional, Raquel Seruca e Joana Figueiredo, do grupo «Epithelial Interactions in Cancer», têm focado a sua atenção na descoberta dos mecanismos de invasão ligados à perda de função da proteína Caderina-E, usando um tipo particular de mutações.

A investigadora Carla Oliveira, por seu lado, tem centrado o seu trabalho na descoberta de novas causas de doença hereditária, liderando atualmente um projeto europeu que estuda a Síndrome de Cancro Gástrico Difuso Hereditário.

Último estudo representa um passo essencial

«O produto do trabalho destes três grupos de investigação no i3S tem sido fundamental para avançar na compreensão da doença, no seu rastreio e diagnóstico precoce, na prevenção e no tratamento», sublinha Joana Figueiredo, do grupo «Epithelial Interactions in Cancer». 

O artigo científico agora publicado, adianta Fátima Carneiro, representa «uma ferramenta essencial que ajudará os clínicos e os doentes de todo o mundo que um dia sejam confrontados com o diagnóstico desta doença».

LEIA TAMBÉM: Camarinha: estudo indica que poderá ter propriedades anticancerígenas

No plano da investigação, acrescenta Raquel Seruca,  «a aposta no estudo da Cancro Gástrico Difuso Hereditário, de forma complementar por um conjunto de cientistas do mesmo instituto, tem sido um sucesso e projeta a instituição e a investigação portuguesa ao mais alto nível».

Informações adicionais para órgãos de comunicação social:

Luísa Melo

Unidade de Comunicação do i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde

Rua Alfredo Allen, 208 | 4200-135 Porto

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome