como escolher cosméticos biológicos

Atualmente, encontramos no mercado os mais variados cosméticos biológicos, naturais orgânicos e ecológicos – são tantos, que conseguir distinguir as várias opções pode ser uma grande ajuda. Assim, a Atida | Mifarma, o ecossistema online de saúde e bem-estar que pretende tornar-se na maior plataforma de saúde online da Europa, decidiu preparar um guia rápido para o ajudar escolher quais são os melhores para si, e elaborou ainda um ranking dos produtos mais procurados pelos portugueses.

Guia prático de cosméticos biológicos, naturais, orgânicos e ecológicos – o que significam estes rótulos e como se distinguem?

Na prática, o significado destes termos é muito semelhante – mas existem certas nuances diferenciadoras que devem ser tidas em conta:

  • Cosméticos naturais e orgânicos: Produtos que são compostos por ingredientes naturais (de origem vegetal, animal, mineral ou microbiológica) ou fabricados sob as condições definidas pelos ingredientes naturais. Da mesma forma, os produtos orgânicos são aqueles que são compostos por ingredientes orgânicos. Contudo, um produto natural ou orgânico pode conter, em percentagens variáveis, certas partes que não são naturais ou orgânicas. Isto porque é impossível que muitos destes produtos – especialmente os mais sofisticados – sejam formulados inteiramente a partir de ingredientes naturais. Neste momento, não existe nenhuma norma internacional que estabeleça um limiar mínimo de ingredientes naturais ou orgânicos dentro desta designação. Entre os benefícios destes cosméticos, destacam-se a adaptabilidade à pele e o respeito pela mesma – daí serem ideais para peles sensíveis ou propensas a reações alérgicas.

Os termos ‘biológico’ (ou ‘bio’) e ‘ecológico’ (ou ‘eco’) podem ser utilizados como sinónimos, e também sem distinção do ponto de vista da certificação, embora existam pequenas nuances que os diferenciam, dependendo do país:

  • Cosméticos ecológicos: Atualmente não existe uma definição comum em todos os países, mas existe um consenso em relação a certos requisitos a que os produtos devem obedecer, nomeadamente respeitar o meio ambiente (minimizando as emissões de gases com efeito de estufa) e ter em consideração o ciclo de vida do produto, desde os ingredientes à utilização final (fontes renováveis, materiais reciclados e recicláveis, etc.). Existem entidades certificadoras privadas que podem aplicar o seu próprio protocolo e emitir uma certificação de “produto cosmético ecológico”. Quanto aos benefícios, destaca-se que, devido aos processos de produção, estes produtos mantêm todas as suas propriedades para hidratar, suavizar e nutrir a pele.
  • Cosméticos biológicos: Produtos que devem conter 90% de ingredientes naturais, sem silicones ou derivados do petróleo e apenas fragrâncias naturais, para além de não serem testados em animais e as suas embalagens serem recicladas e biodegradáveis. Os cosméticos biológicos contêm uma grande quantidade de antioxidantes, bem como de vitaminas e emolientes naturais que cuidam da pele e respeitam o ambiente.

Como escolher e identificar estes produtos?

Tendo em conta as múltiplas alternativas, terminologias e opções de rotulagem disponíveis no mercado, a forma mais eficaz de identificar o tipo de produto é o rótulo ou selo que o acompanha. Algumas das principais normas que regem a certificação cosmética na Europa são:

  • Ecolabel EU: O rótulo mais comum, criado em 1992 para promover produtos que reduzem os efeitos ambientais nocivos, em comparação com outros produtos da mesma categoria – para além de contribuírem para uma utilização eficaz dos recursos e um nível mais elevado de proteção ambiental.
  • Cosmos: Certificação privada europeia, desenvolvida por várias organizações, que tem como objetivo unificar critérios e generalizar a cosmética ecológica. Para além disso, distingue cosméticos naturais e ecológicos. Portugal não tem nenhuma entidade que a conceda, mas as empresas portuguesas podem solicitá-la.
  • EcoCert Portugal: Apesar de um maior foco no controlo e certificação para agricultura biológica, dispõe também de certificações para cosméticos ecológicos e biológicos. Distingue os cosméticos naturais dos cosméticos naturais e ecológicos (os produtos ‘bio’ não a recebem) – e os produtos devem ter 95% de ingredientes naturais, não conter perfumes nem silicones nem ser testados em animais.
  • CosmeBio: O rótulo CosmeBio permite distinguir os cosméticos que são verdadeiramente naturais ou orgânicos, com selos ‘Bio’, ‘Cosmos Natural’ e ‘Cosmos Organic’. Para certificar cosméticos biológicos é necessário que 95% dos ingredientes sejam de origem natural e que 95%-100% dos ingredientes vegetais sejam orgânicos.
  • Natrue: Fundada em Bruxelas e comprometida com a promoção e a proteção de cosméticos naturais e biológicos à escala internacional, distingue entre cosmética natural, cosmética natural parcialmente biológica e biocosméticos.

Quais são os produtos naturais certificados que os portugueses preferem?

A cosmética natural e orgânica está a tornar-se cada vez mais popular. De acordo com dados internos da Atida | Mifarma, os produtos mais procurados pelos portugueses nesta categoria são:

  1. Gel de limpeza com própolis e lima da Apivita. Esta opção sem silicones, parabenos ou óleos minerais é uma das mais vendidas na categoria de cosméticos naturais e ecológicos da plataforma.
  2. Creme de contorno de olhos da Matarrania. Esta marca produz cosméticos 100% biológicos com ingredientes naturais como azeite e rosa mosqueta. Para além disso, a maioria dos seus produtos tem embalagens de vidro ou cartão, de modo a reduzir a utilização de plástico.
  3. Protetor solar da Mifarma Natur. Esta é uma linha de cosmética e higiene natural e este produto é formulado com ingredientes 100% naturais de origem biológica. A linha completa de óleos vegetais e essenciais da marca é também uma das favoritas da plataforma nesta categoria.
  4. Desmaquilhante da Atida. Conta com uma fórmula vegan e é feito com ingredientes orgânicos.
  5. Óleo de coco 100% puro da Tropicania. 100% Outro must-have, especialmente durante os meses de maior incidência solar: uma opção pura, orgânica e biológica. É também um produto muito versátil, graças às suas propriedades nutricionais e antioxidantes que o tornam imprescindível para o cuidado da pele, do cabelo e das unhas.

“Os hábitos dos consumidores estão a mudar rapidamente. A alimentação ecológica e natural é cada vez mais praticada, e o mesmo se nota nos cosméticos do mesmo tipo, cuja procura aumentou muito recentemente. Esta é uma tendência que observamos diariamente, não só pelos múltiplos benefícios que traz à pele, mas também porque a sua produção contribui para melhorar e preservar o ambiente,” comentou Reme Navarro, Farmacêutica e Business Strategy Director da Atida para o Sul da Europa.

Para mais informações

Inês Barbosa – Account Director

[email protected]

+351 910 939 846

FONTEAtida | Mifarma
Artigo anteriorDantas Rodrigues & Associados abre escritório em Viana do Castelo com Galiza na mira
Próximo artigoLiga Pro Skate e Hot Wheels Skool arrancam para descobrir talento português
Envie-nos o seu press release através do nosso formulário de submissão e potencie a visibilidade da sua marca, empresa, ideia ou projeto. Se tiver dúvidas sobre a elaboração de uma nota à comunicação social, leia o nosso artigo "Como Fazer um Press Release".