redução de plástico no mar

A presença de plástico nos oceanos é uma ameaça mundial e envolve todos os estratos sociais – dos consumidores aos decisores políticos, passando pelas entidades reguladoras, cabe a todos a missão de minimizar as sequelas da sua existência. Este é apelo do MARE para redução de plástico no mar.

“Ao contemplarmos a superfície do Oceano não temos a perceção da quantidade de plástico que nele tem vindo a ser descartado”, explica a investigadora do MARE, Paula Sobral. “Para além do que, infelizmente, podemos detetar a olho nu, e do que sabemos que se foi alojando no fundo do mar ao longo dos tempos, existem ainda os plásticos de pequenas e microdimensões de impacto tão ou mais nefasto”, continua.

Um risco para a biodiversidade e para a saúde, que cresce de forma alarmante. Para o MARE, é fundamental que se aposte na investigação e na tecnologia. Os números são claros: passámos de uma estimativa de 8 milhões de toneladas anuais, só nos oceanos, o equivalente a um camião por minuto, para mais de 12. Se nada for feito, estes números vão escalar – a OCDE previu, recentemente, a triplicação do recurso ao plástico até 2060.

Nações Unidas estão empenhadas na redução de plástico no mar

Para a investigadora do MARE, o Tratado Global para os Plásticos aprovado em março de 2022 na Assembleia do Ambiente das Nações Unidas pode alterar o curso da História. “Trata-se de um instrumento juridicamente vinculativo que visa acabar com a poluição por plásticos até 2040. Contempla diferentes medidas, com foco na economia circular, na sustentabilidade e na otimização da gestão de resíduos. Medidas que, a serem cumpridas, podem contribuir para a redução de parte do mal que tem vindo a ser feito”.

___

Sobre o MARE

O MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente – é um centro de investigação científica, desenvolvimento tecnológico e inovação com competências para o estudo de todos os ecossistemas aquáticos, na vertente continental e no mar. Promove o uso sustentável de recursos e a literacia do oceano disseminando o conhecimento científico e apoiando políticas de desenvolvimento sustentável. Criado em 2015, integra 7 Unidades Regionais de Investigação associadas às seguintes instituições: Universidade de Coimbra (MARE-UCoimbra), Politécnico de Leiria (MARE-Politécnico de Leiria), Universidade de Lisboa (MARE-ULisboa), Universidade Nova de Lisboa (MARE-NOVA), ISPA – Instituto Universitário (MARE-ISPA), Universidade de Évora (MARE-UÉvora) e ARDITI (MARE-Madeira).

Para mais informações
Rita Jordão

[email protected]

FONTEMARE
Artigo anteriorPsicanalista lança marketplace exclusivo para mulheres, aLoja Virtual MQFE
Próximo artigoFestival de Street Art: SM’ARTE dinamiza Bragança e apresenta primeira obra de arte urbana do país produzida por IA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome