Início Destaques Nanoplásticos podem afetar células cerebrais e do cólon humano

Nanoplásticos podem afetar células cerebrais e do cólon humano

Investigação sugere que a exposição a nanoplásticos pode ativar respostas inflamatórias que variam dependendo do tipo de célula.

Nanoplásticos têm tamanho suficiente para atravessar as membranas celulares do nosso corpo

Cada vez mais presentes no nosso quotidiano, os nanoplásticos podem desencadear respostas inflamatórias no corpo humano, representando um potencial risco para a saúde. As conclusões são de uma investigadora do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, que observou respostas inflamatórias em diferentes tipos de células após a exposição a nanoplásticos.

Conhecidas como nanoplásticos, estas minúsculas partículas de plástico, que são mais pequenas que os microplásticos, podendo ter dimensões 70 vezes inferiores ao diâmetro de um cabelo, estão entre os principais poluentes do ambiente, especialmente no meio aquático. É graças ao continuado aumento da produção de plástico, ao seu descarte inadequado, à fragmentação de plásticos de maiores dimensões em partículas mais pequenas, e aos contaminantes associados que surge a preocupação relativamente aos malefícios que podem trazer à saúde humana. Isto porque os nanoplásticos têm tamanho suficiente para atravessar as membranas celulares do nosso corpo, tornando-se mais fácil a sua ingestão e absorção.

Joana Antunes, aluna de doutoramento da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA de Lisboa (NOVA FCT) e investigadora do MARE, no âmbito do projeto Nanoplastox coordenado pela Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL), demonstrou que estas partículas podem afetar células intestinais e cerebrais.

Joana Antunes expôs vários tipos de células a nanoplásticos, designadamente células do cólon humano e células de microglia de ratinho, que são células do sistema nervoso central com função imunológica, de forma a entender as suas respostas inflamatórias, uma função vital para a defesa do organismo.

Exposição a nanoplásticos pode ativar respostas inflamatórias

A equipa responsável pelo estudo mostrou que os nanoplásticos têm a capacidade de interferir com recetores existentes nas membranas das células intestinais e, consequentemente, ativar processos inflamatórios que podem, eventualmente, alterar a permeabilidade da barreira intestinal.

A inflamação é uma resposta essencial do sistema imunológico a infeções, lesões ou a agentes estranhos. As consequências das respostas observadas neste estudo ainda não são claras, mas a inflamação descontrolada ou crónica está associada a patologias mais graves como alergias, doenças autoimunes e aumento do risco de desenvolvimento de doenças cancerígenas.

O estudo, publicado na revista científica “Environmental Toxicology and Pharmacology”, sugere que a exposição a nanoplásticos pode ativar respostas inflamatórias que variam dependendo do tipo de célula. As células intestinais aumentaram significativamente a produção de fatores pró-inflamatórios, após 24 horas em contato com nanoplásticos de dimensões entre 25 a 100 nanómetros, enquanto que nas células cerebrais a resposta foi menos acentuada.

O que se segue?

Depois de se verificar que a presença dos nanoplásticos em células intestinais humanas e cerebrais pode causar inflamação, está a ser iniciada uma nova fase de investigação onde serão analisadas misturas destes nanoplásticos com outros contaminantes que já existem no ambiente, como por exemplo o benzopireno, um hidrocarboneto (do petróleo) presente no fumo do tabaco.

Será esta mistura mais prejudicial para a saúde humana? A equipa de investigadores do MARE e da FFUL pretende responder a esta questão através da exposição de modelos celulares e peixe-zebra a estas misturas.

Sobre o MARE:

O MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente é um centro de investigação científica, desenvolvimento tecnológico e inovação com competências para o estudo de todos os ecossistemas aquáticos, na vertente continental e no mar. Promove o uso sustentável de recursos e a literacia do oceano disseminando o conhecimento científico e apoiando políticas de desenvolvimento sustentável. Criado em 2015, integra 7 Unidades Regionais de Investigação associadas às seguintes instituições: Universidade de Coimbra (MARE-UCoimbra), Politécnico de Leiria (MARE-Politécnico de Leiria), Universidade de Lisboa (MARE-ULisboa), Universidade Nova de Lisboa (MARE-NOVA), ISPA – Instituto Universitário (MARE-ISPA), Universidade de Évora (MARE-UÉvora) e ARDITI (MARE-Madeira).

Gabinete de Imprensa:

Rita Jordão | ritajordao@lpmcom.pt | TM. 91 252 20 70

Beatriz Santanita | beatrizsantanita@lpmcom.pt | TM. 924 767 543

LPM MultiCom

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome

Exit mobile version