Início Economia Negócios Local de trabalho: as 5 principais tendências para 2022

Local de trabalho: as 5 principais tendências para 2022

O digital workplace é uma das principais tendências apontadas pela Konica Minolta para 2022 e que se prevê ser um “padrão” a instituir pelas empresas a curto-médio prazo.

O ritmo da transformação digital, acelerado pela pandemia, está a um modelo de local de trabalho mais digital. Equacionar um modelo de trabalho híbrido que junte equipas em modo presencial com equipas remotas será um dos fatores principais de atração de talento e essencial para a o sucesso das empresas. Para 2022, a Konica Minolta indica que a implementação do teletrabalho veio para ficar, o que vai obrigar as empresas a redesenhar os seus escritórios.

O avanço da digitalização e a crescente flexibilidade da força de trabalho vai exigir das empresas ferramentas de comunicação mais eficazes e colaborativas, trabalhando num ambiente de cloud e adotando soluções “as-a-Service” que ajudem a tornar possível este espaço de trabalho dinâmico, composto por equipas híbridas. O investimento em tecnologias de cibersegurança e do armazenamento de dados, bem como a preocupação com a sustentabilidade, são outras tendências apontadas pela tecnológica Konica Minolta.

Pedro Monteiro, Deputy Managing Director Konica da Minolta Portugal acredita que ” 2022 será um ano em que todas as organizações e equipas procurarão melhorar e surpreender clientes e cidadãos. Encontramo-nos num momento muito especial, onde existe uma firmeza vincada de que é possível fazer esse caminho de excelência, de mãos dadas com bem-estar no local de trabalho e com um ambiente mais sustentável e seguro”.

5 tendências para o local de trabalho no ano que agora começa:

Conheça as cinco principais tendências para o futuro do local de trabalho e para as decisões de IT que, de acordo com a Konica Minolta, as empresas deverão ter em conta para o ano de 2022:

1 Tomada de decisão com base em dados

Embora a grande maioria das empresas (58%) confie no seu instinto e experiência no momento de tomar uma decisão, este cenário mudará muito em breve. Em 2022, os processos de dados tornar-se-ão ainda mais importantes, sendo um fator determinante na tomada de decisões.

“Atualmente acumulam-se dados como peças de Lego. A questão é: como tratar essas peças? Como interligar as peças? Como interpretar as peças e os seus conjuntos? Como descartar peças? Como obter mais peças? Como segurar as peças?”, diz Pedro Monteiro. “A nossa obsessão é transformar para melhorar o negócio dos nossos clientes. É neste momento trazemos a experiência Física e Digital de alinhar Dados, Processos, Equipas.

2 – O escritório híbrido será cada vez mais a regra, e menos a exceção

De acordo com os resultados do mais recente inquérito da consultora McKinsey “What employees are saying about the future of remote work”, 52% dos colaboradores afirma que pretende uma localização mais flexível após a pandemia. Isto significa que, mesmo em 2022, o trabalho remoto digital, ou uma solução híbrida, tornar-se-á um padrão para muitas organizações e o trabalho presencial no escritório será a exceção.

Vítor Medeiros, Sales & Business Director da Konica Minolta Portugal, descreve o paradigma em mudança para o local de trabalho: “O escritório será visto mais como um ponto de socialização. Será um local para apresentações, exercícios de formação de equipas, introdução de novos projetos ou qualquer outra tarefa em que seja necessário reunir os seus funcionários para uma comunicação presencial”. As soluções que permitam um intercâmbio e colaboração ininterruptos tornar-se-ão cada vez mais vitais.

Com o Microsoft 365, por exemplo, a Konica Minolta permite que, através da cloud, se trabalhe de forma inteligente e conectada, capacitando as equipas a trabalhar simultaneamente em documentos, independentemente do lugar ou da hora. Ao trabalhar em parceria com a Microsoft, a Konica Minolta está a desenvolver soluções que acelerem as transformações digitais no local de trabalho dos seus clientes. Com menos pessoas presentes fisicamente no escritório, este será naturalmente reduzido, levando à criação de escritórios mais pequenos.

3 – A cloud passará a estar no centro do fluxo de trabalho e as soluções “as-a-service” tornar-se-ão cruciais para os negócios

Em 2022, a capacidade de otimizar a utilização dos recursos informáticos será cada vez mais relevante, à medida que a pressão da escassez de competências continua a crescer. Num inquérito levado a cabo pela KPMG em 2020, 65% dos Chief Information Officer concordaram que os desafios na contratação de talentos de TI estão a ter um impacto negativo na indústria.  Deste modo, as soluções de cloud poderão libertar os departamentos de TI da necessidade de gerir, proteger e atualizar a infraestrutura de TI, ao mesmo tempo que concentram os recursos internos em projetos estrategicamente mais valiosos. Isto fará com que as organizações se mantenham na vanguarda da tecnologia, independentemente da sua dimensão e capacidade de competir na guerra pelo talento.

“À medida que os modelos de negócio estão a mudar, e a necessidade de flexibilidade e eficiência aumenta, as empresas estão a afastar-se da infraestrutura tradicional de TI e a optar por ter na cloud a primeira estratégia”, afirma o Sales & Business Director da Konica Minolta Portugal. “No entanto, uma das áreas que frequentemente permanece em funcionamento nos servidores locais é a infraestrutura de gestão de impressão. Ao mover a sua infraestrutura de impressão para a cloud, não só melhorará o trabalho móvel como também aliviará o pessoal de TI do fardo de gerir vários servidores de impressão”.

4 – Aumento de Ciberataques contra as empresas

Um dos desafios dos modelos de trabalho híbridos e flexíveis passa por manter a segurança dos dados e, em última análise, proteger a propriedade intelectual das empresas.

Um estudo da Konica Minolta revela que 37% das empresas teve uma maior exposição a vírus, malware ou outras ameaças, devido às condições impostas durante o último ano. Mais de metade admite já ter sofrido um incidente com um resgate nos últimos dois anos, o que o torna uma ameaça real. “Com o aumento do fluxo de trabalho digital, o número de potenciais alvos de ciberataques multiplica-se nas empresas. O software e o hardware precisam de ser um “muro forte” contra estas ameaças e a cibersegurança deve ser uma prioridade das organizações”, explica Vítor Medeiros.

5 – A sustentabilidade deixa de ser um elemento diferenciador e passa a tornar-se “business as usual”

Na Konica Minolta, a sustentabilidade é parte integrante do negócio e da estratégia há vários anos. Isto incluí levar a todos os clientes serviços mais sustentáveis, que reduzam as emissões de CO2.  Uma das soluções é o bizhub ECO, que oferece uma configuração ecológica predefinida para as MFPs, permitindo economizar o toner e eliminar automaticamente as páginas em branco.

Também a AIRe Link, uma ferramenta desenvolvida pela Konica Minolta, permite dar suporte técnico à distância a clientes, corrigir falhas com maior rapidez, e que contribuir para a redução da pegada carbónica. Só em 2020, permitiu reduzir mais de 3 mil visitas presenciais a clientes, poupando assim 853.000 quilómetros em viagens e cerca de 104 toneladas de emissões de CO2.

Para Pedro Monteiro, Deputy Managing Director Konica da Minolta Portugal “a sustentabilidade está presente no ciclo de vida dos dispositivos e consumíveis. Os materiais e energia utilizados para a conceção dos produtos da Konica Minolta têm sempre em vista a sua reutilização – após a primeira utilização – ou a sua reciclagem, no final do seu ciclo de vida”.

Para mais informações

Isabel Carriço

965 232 496

isabelcarrico@lpmcom.pt

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome

Exit mobile version